Welcome to Bali & Lombok

bali

Bali, known as the Island of Gods, is an extremely popular destination that attracts millions of travelers every year. No matter what you are looking for, you will find it here: crystal clear water and white sand beaches with good waves for surfing; vibrant green rice fields and dense jungles to explore; majestic Hindu temples and spiritual practices for body and mind; and much more – Bali is a place for everyone.

As soon as one lands in Bali, will instantly get in touch with Hinduism. Indonesia is the largest predominantly Muslim country, but in Bali approximately 84% of the population is Hindu.

The religion is deeply rooted in the Balinese culture: the families live together in beautiful villas, where they build their own private temples. They spend part of their days carefully preparing offerings to the Gods – small baskets made of banana leafs, filled with colorful flowers, incense sticks, rice, fruits and much more. Every morning the offerings are deliberately placed in front of rooms, statues of deities, or on the streets – It’s impossible not to appreciate the dedication and time that Balinese people spend preparing for their religious rituals. Big Hindu ceremonies happen regularly,  and being invited by a local to join one of them it’s a unique experience: The sweet smells of incense, the colorful offering baskets piled up in tables, the locals properly dressed in traditional balinese clothes and the praying rituals, will take you to another dimension and make you truly believe that there is something above us.

flowers

The number of temples on the island it’s a reflection of the importance of religion in the Balinese culture: With over 6000 temples, Bali it’s an appealing destination for those who want to explore the spiritual side of an ancient culture.

There are different kinds of temples, and the differences between them depend on the purpose of the worship. Some will surprise you by their history, looks such as the popular Tanah Lot – a temple located on the south of the island that looks like a giant rock floating in the Indian ocean; others will surprise you by their unusual location – the Lempuyang Temple, located on the top of a mountain, it’s only reachable via a steep staircase of over 1,700 steps, with attractions along the way including several other temples and hordes of grey long-tailed macaques that inhabit the surrounding cool mountain forests.

In Bali, the temples are perfectly integrated with the nature, which demonstrates the interesting connection between religion and nature characteristic of hinduism.

From south up to the north, there is a lot more to explore, and the beaches are one of the main attractions. There is one to suit every taste: on the island’s south coast such as Kuta, you will find palm-fringed white sand beaches; towards Uluwatu, cliff-guarded ‘hidden’ shores; On the north and western shorelines, black sand beaches. The highly developed, crowded and touristic Kuta, contrasts with Saba, an undeveloped and non-touristic place with an interesting beach where the locals bury their bodies on the black sand until the neck –  it’s believed that the shiny black sands have healing properties.

All over Bali, the waves are an invitation for the surf lovers, and the bright pink sunsets are the perfect excuse to stay longer on the beach.

Captura de ecrã 2017-12-03, às 21.45.03

On the island’s center, the perfectly arranged rice fields are abundant and the jungles hide beautiful waterfalls that deserve to be explored, and Ubud is the perfect example of it – the greener place in Bali, at all levels. Here, the nature surrounds you with immense beauty, and the healthy practices for body and mind characteristic of this beautiful village and it’s people, attract millions of travellers every year, in search for a more conscious and healthy lifestyle.

From raw, vegetarian and organic food to yoga classes, meditation or cacao ceremonies, Ubud is home to a big spiritual community that can change you deeply – inside and outside.

old-balinese-woman

On the north, the mount Batur is the perfect excuse for another adventure. Seeing the Volcano is, by itself, an experience, but it’s possible to climb it during the early hours of the morning and watch the sunrise from the top of it. The mount Batur is surrounded by a lake – a beautiful place for a bike ride to enjoy the volcano from a different perspective and appreciate the nature and small villages around it. The roads are bumpy, but they don’t have the chaotic traffic characteristic of Bali.

Roaming through the streets, between shops, markets and temples, the local Warungs and Padangs stand out – restaurants with delicious local food, prepared and cooked in a variety of ways. On Warungs the menu consists on the traditional local dishes: the famous nasi gorend (fried rice with meat), mie goreng (friend noodles with meat), Ayam Bakar (grilled chicken), and many more. On Padangs you pay for what you eat – The family that runs the restaurant will cook all the food for the day in the morning, and place the dishes in the window.  They sit there all day until they are eaten.

nasi goreng

The popularity of Bali grows more and more every year. The island of Gods has a lot to offer, and it’s estimated that over a million of foreigners have chosen Bali has their home away from home. But with popularity a huge development came and the big resorts, fancy restaurants, buses filled with tourists and a lot of traffic are a reality in Bali nowadays. The low-cost lifestyle attracts a remote workers and backpackers from all over the world, but the prices are slowly increasing every year and Bali is becoming a more expensive and westernized destination.

But Bali, it’s a place that deserves to be experienced – the beauty it’s not only in the places, but deep inside of its people.

Bali is one of the few cultures with origins in one of the great ancient cultures which is still alive – Arthur Ericsson


 

Lombok is a different animal all together. Lombok is not meant for tourists, it lacks a lot of the comfortable amenities one could expect when going on holidays. Located east of Bali, mostly Muslim, it is becoming more and more common among people looking for a more genuine experience when in Indonesia. A lot less developed, Lombok hides all its treasures to itself and only the one that visits can truly understand how much there is to discover.

Once you arrive, you´ll be surprised by how rural this island is, specially when compared to Bali. There are still resorts and hotels but the most common type of lodging here is definitely the homestay. These are present on every other street of Kuta Lombok, a small village where most expats and tourists stay. Often quiet and a lot less busy than most people expect, those who come can enjoy a peaceful stay, as many surf places as there are beaches, for all levels, amazing good food at affordable prices, a few jam sessions after sunset.

Almost every beach trip includes a 20 to 30 minutes bike ride through the green rural fields, where the agricultural side is still very present and it is not uncommon to see a herd crossing the road, on their own pace, imposing big animals, which means anyone passing by, should make time for it. The mountains reveal a much more secluded and conservative population, where people live simple lives and time doesn’t seem to have passed here. Most farmers grow maize and for that reason the landscape changes throughout the year, depending on the stage of the crops. Regardless of that, the scenery  is beautiful and the sense of calm one can feel crossing these mountains is indescribable. A mix of adventure and detachment for all material things, where the only thing in mind is to reach the next beach, and in every valley, between the slippy hills, there’s the sea, waiting for the long way down on the gravel and dirt road.

Selong beach is probably among the most known ones, a beach break, perfect for anyone looking to learn how to surf, it offers commodities such as sun beds, a few shed-like beach bars, but not a lot more. As one moves further away from the entry, the fishermen boats become more obvious and it is clear this is still their beach. Children playing on the sand, their own playground, their backyard in some way, their fathers boats moored serve as castles and everything seems simple. Every now and again buffaloes cross the beach and this is probably the most fantastic thing any one laying on the sand can ever witness, the beautiful animals.
If adrenaline is what you’re looking for, then Desert Point on the west side of the island will be the spot. In contrast to Selong, this is where big waves take place, an absolutely spectacular demonstration of how powerful mother nature is. 

If one wished to define Lombok in one word it would definitely be surfing but there’s something else to be mentioned: the kindness of their people. Here, more than anywhere else we’ve been too, people were genuinely good, willing to share whatever they had, and every stranger was worth their smile and their good will, regardless of how little they had, there was always enough to share. And that’s something to treasure.

Indonesia is very different from the paradise kind of place, the idilic beach of sun and sea, its a lot more than that. Yes, there’s that but it’s the culture, the people, the food and the rural landscape that can take your breath away and never stop surprising you!

Tip: If you’re looking to stay within budget look online for traveloka website and you’ll find the best price for lodging. Its also worth checking the price directly on the homestay where you wish to stay. As for the best and most authentic place to eat in Ubud: Kedai D’Sawah not only it has the best and most incredible views, it also has amazingly tasty food at an impressive prince.

A brief summary of our costs for 31 nights:

  • Lodging: 502 USD
  • Food: 462 USD
  • Transport: 50 USD
  • Entertainment: 185 USD
  • Misc: 171 USD (surfboards, motorbike, extras)

Total: 1,370 USD

See you in Singapore!


 

 

Bem-vindos a Bali & Lombok!

bali

Bali, conhecida como a ilha dos Deuses, é um destino extremamente popular que atrai todos os anos milhares de turistas. Independentemente daquilo que cada um busca, certamente irá encontrar aqui: águas cristalinas e praias com óptimas ondas para surfar, campos de arroz de um verde vibrante e uma densa selva para explorar, majestosos templos e locais espirituais para cuidar do corpo e da mente; e muito mais – Bali tem algo para cada um.

Logo à chegada a Bali, há um contacto quase imediato com o Hinduísmo. A Indonésia, sendo um país predominantemente Muçulmano, tem Bali como a excepção onde cerca de 84% da população é Hindu.

A religião está, por sua vez, entranhada na cultura Balinesa: a famílias vivem tradicionalmente em lindíssimas casas, onde constroem os seus próprios templos no jardim. Uma parte importante dos seus dias é dedicado à preparação de oferendas aos Deuses – pequenas cestas feitas de folha de banana, com flores coloridas incenso, arroz ,fruta e muito mais. A cada manhã estas oferendas são deliberadamente colocadas à porta dos quartos, junto a estátuas ou até mesmo nas ruas – é impossível não apreciar a dedicação e tempo que cada Balinês coloca na preparação dos seus rituais religiosos, cumpridos a rigor. Grandes cerimónias Hindu têm lugar frequentemente, e ser convidado por um local para participar de um destes eventos é uma experiência única: o cheiro adocicado dos incensos, os coloridos cestos empilhados sobre a mesa das oferendas, os locais vestidos a preceito nas suas vestes tipicamente Balineses e os rituais de adoração, todo este cenário transporta-nos para uma outra dimensão e fazem-nos acreditar e que existe Algo acima de nós.

flowers

O número de templos presentes na ilha é um indicador da importância que a religião tem, de facto, na vida e cultura de Bali e das suas gentes: são mais de 6000 templos, e por isso este sítio se tornar um destino apelativo para todos os que desejam explorar o lado espiritual duma cultura ancestral.

Existem diferentes tipos de templos, sendo que cada um tem uma função específica consoante aquilo que se pretender adorar. Alguns surpreendem pela sua história, outros pela sua imagem como, por exemplo, o Templo de Tanah Lot, um templo localizado no sul da ilha, assemelhando-se a um rochedo que mais parece flutuar sobre o oceano Índico; outros surpreendem pela sua localização peculiar, como o de Lempuyang, localizado no topo da montanha e apenas acessível através duma subida íngreme e perigosa com mais de 1,700 degraus, mas que, no entanto, fica incluída na visita a este templo outros pelo caminho e também a companhia de bandos de macacos cinzentos de cauda comprida, que escolhem fazer desta inóspita montanha a sua casa por a temperatura aqui ser substancialmente mais fresca.

Em Bali, os templos estão perfeitamente integradas com a natureza, o que demonstra uma interessante ligação entre a religião e a natureza, característica intrínseca do próprio Hinduísmo.

De Norte a Sul, há muito por onde explorar e as praias são uma das principais atrações. Existe uma para cada gosto e feitio: na costa sul, Kuta, por exemplo, encontram-se praias de palmeiras na areia; enquanto que em Uluwatu os desfiladeiros escondem baías secretas; já a norte e oeste, a beira-mar quer-se preta com areias vulcânicas e finas. A sobre-desenvolvida Kuta contrasta com Saba, uma área ainda por explorar e pouco turística, com uma particularidade curiosa, uma praia onde os locais cobrem o seu corpo até ao pescoço com areia preta – estes acreditam que as areias vulcânicas tenham propriedades curativas.

Por toda a Bali, as ondas são um convite para os amantes do surf, e os pôr-do-sol cor-de-rosa são a desculpa perfeita para prolongar o dia na praia.

Captura de ecrã 2017-12-03, às 21.45.03

No centro da ilha, os campos de arroz preciosamente arranjados são abundantes e as selvas escondem bonitas quedas-de-água que merecem ser vistas; Ubud é o exemplo perfeito disto mesmo – o local mais verde de Bali, em todos os níveis e sentidos. Aqui a natureza envolve-nos na sua beleza imersiva e são muitos os rituais para cuidar do corpo e da mente nesta charmosa vila que, por isso mesmo, atrai tantos visitantes ao longo do ano todo, em busca dum estilo de vida mais saudável e consciente.

De comida raw, vegetariana e orgânica, a aulas de yoga, meditação e até cerimónias de cacau, Ubud é casa para toda uma comunidade de gente muito espiritual que pode mudar qualquer um drasticamente, por dentro e por fora.

old-balinese-woman

A norte, o Monte Batur é o pretexto perfeito para mais uma aventura. Ver o vulcão é, por si só, uma experiência, mas caminhar durante horas pela madrugada a dentro para ver o nascer do sol no seu cume é algo transcendente. Monte Batur é rodeado por um lago – um sítio calmo e ideal para uma pacífica viagem de mota e apreciar o vulcão de uma outra perspectiva, bem como toda a natureza envolvente e pequenas vilas que aqui existem. As estradas podem ser turbulentas mas em nada se assemelham ao caos citadino de Bali.

Vagueando pelas ruas, entre lojas, mercados e templos, os populares Warungs e Padangs sobressaem – restaurantes com deliciosa comida típica, preparam e cozinham estas iguarias locais numa variedade de formas. Nos Warungs os menus consistem nos pratos tradicionais: o famoso Nasi Goreng (arroz frito com carne), Mie Goreng (semelhante mas com noodles em vez de arroz), Ayam Bakar (frango frito) e muitos mais. Já nos Padang cada um paga por aquilo que come – a família que gere o restaurante normalmente cozinha os pratos pela manhã e ali ficam na janela até serem comidos.

nasi goreng

A popularidade de Bali cresce mais a cada dia. A ilha dos Deuses tem muito para oferecer e é estimado que mais de um milhão de estrangeiros tenha já escolhido Bali como a sua segunda casa. Mas com a popularidade vem o desenvolvimento em massa e para as massas, grandes resorts, restaurantes chiques e autocarros carregados de turistas que adicionam ainda mais peso ao já complicado trânsito. A vida a baixo custo atrai trabalhadores independentes e gente de mochila às costas vindos de toda a parte do mundo mas a pouco e pouco os preços vão subindo e a cada ano que passa Bali torna-se cada vez mais dispendiosa e ocidentalizada.

Mas Bali é um sítio que merece ser experienciado – a beleza do local não é está apenas no lugar, mas também enraizado nas suas gentes. 

Bali é uma das poucas culturas com origem numa das grandes culturas ancestrais que ainda hoje está viva – Arthur Ericsson

Artigo original sobre Bali, texto e ilustrações em 195travellingtales, escrito e ilustrado por Nuno Ramalhão, para mais histórias, clicar aqui!


 

Lombok é um animal de uma outra espécie totalmente diferente. Lombok não foi pensado para turistas, falta-lhe o conforto de todos os extras que se espera numas férias. Localizado a este de Bali, maioritariamente Muçulmano, tem-se tornado cada vez mais popular entre aqueles que procuram uma experiência mais genuína ao visitar a Indonésia. Muitíssimo menos desenvolvido, Lombok esconde os seus segredos para os seus e só visitando se percebe o quanto há para explorar.

Mal se chega pode-se perceber o quão rural este local é, em particular quando comparado a Bali. Sim, ainda se vêm resorts mas são uma ave rara comparada com o tipo mais vulgar de estadia, as chamadas homestay. Uma homestay, como o nome indica, será algo semelhante a uma residencial, ainda que provavelmente num registo bastante mais precário do que aquilo que estamos habituados a ver. Presentes porta-sim, porta-sim em Kuta, Lombok, esta pequena vila, em nada semelhante a Kuta-Bali é bastante mais parada e muito menos populada do que algumas pessoas esperariam, mas os que lá vão podem usufruir duma estadia calma e praias para surfar (tantas quantas se queiram) apropriadas a todos os níveis, preços incrivelmente baixos e alguma música ao vivo e jam sessions depois do pôr-do-sol.

Quase sem excepção, as idas à praia implicam um passeio de mota pelos campos verdejantes, onde o cariz agrícola está ainda bastante presente e não é invulgar ver uma manada a atravessar a estrada, ao seu próprio ritmo e sem pressas, animais imponentes, sendo que qualquer um naturalmente pára e obedece ao código da estrada.

Entre vales e montanhas revela-se uma população muito mais reservada e conservadora, onde se vive uma vida simples e onde o tempo parece ter parado. A maioria dos agricultores continua a cultivar milho e por isso mesmo a paisagem muda substancialmente consoante a época do cultivo. Independentemente disso, o cenário é absolutamente lindo e tem-se uma sensação de tranquilidade indescritível ao percorrer estas colinas. É um misto de aventura e desprendimento de tudo o que seja material, onde tudo o que importa é chegar à próxima praia, ver mais um bocado de mar, correr cada vale, entre altos e baixos de estrada esburacada e lamacenta, vê-se sempre o azul ao fundo, à espera dos que chegam de prancha amarrada à mota, à procura de mais uma onda.

A praia de Selong é provavelmente a mais conhecida, fundo de areia, perfeita para quem está a começar/ quer aprender a surfar, com algumas comodidades, cadeiras de praia e guarda-sóis, alguns bares de praia, ainda que não sejam mais do que uns barracos de madeira, mas não muito mais do que isto. Ao afastar-mo-nos do acesso à praia, percebem-se os barcos de pescadores e fica claro que esta areia lhes pertence. As crianças em roupas esfarrapadas brincam aqui como se fosse o seu parque infantil, estão no seu quintal, digamos, aquele areal é tudo o que conhecem e as pequenas embarcações ali atracadas são os seus castelos. Tudo nos parece simples. A cada duas por três os búfalos atravessam a praia, e esta é, provavelmente a visão mais espectacular de sempre.

Se por um lado Lombok é capaz de transmitir esta paz imensa, a adrenalina não deixa de estar sempre do outro lado de cada falésia. Desert Point, na costa oeste, é o pico e as ondas grandes tem aqui lugar, numa incrível demonstração do poder da Mãe Natureza.

Se se tratasse de definir Lombok numa só palavra, poder-se-ia falar do surf, mas seria igualmente injusto não mencionar um outro aspecto: a gentileza da sua gente. Aqui, mais que em qualquer outro lugar, sente-se a genuinidade das pessoas, a disponibilidade de estender a mão e partilhar seja o que for que tenham, o saber inato que mesmo um estranho vale o seu sorriso e a sua boa-vontade, e o pouco que possuem é para ser dividido de bom grado. E isso é algo que é impossível não admirar.

A Indonésia, ainda que seja algo muito diferente da imagem paradisíaca que se cria no nosso imaginário, é um destino que traz muito mais que somente praias e sol, a sua cultura, a sua gente, a comida e a paisagem rural são de cortar a respiração e nunca deixam de surpreender!

Dica: Alguns países têm sites mais vulgares onde encontrar alojamento, neste caso particular, o traveloka é o website. Vale também, depois de ter verificado este site, passar directamente na homestay em questão e negociar o preço. Já no que diz respeito ao melhor e mais original sítio para comer em Ubud, este é imperdível: Kedai D’Sawah  não só tem as melhores e mais incríveis vistas como a comida é absolutamente maravilhosa e a um preço imbatível.

Aqui fica um sumário dos nossos gastos em 31 noites:

  • Alojamento: 502 USD
  • Alimentação: 462 USD
  • Transporte: 50 USD
  • Entretenimento: 185 USD
  • Miscelâneo: 171 USD (inc. aluguer de pranchas de surf, mota, extras)

Total: 1,370 USD

Vemo-nos em Singapura

Welcome to Bohol!

 

We all have the image of the perfect beach, paradise by the sea, the kind that comes up on the magazines and let us dreaming about holidays. Panglao is like that.

 

Everyone has an idyllic destiny. The paradise sold in travel agencies, celebrity magazines and movies. Bohol, part of the Visayas region takes you by surprise, its disconcerting, in particular de Panglao island. The Philippines are considerably hard to reach, but once you get there, all the compliments become obvious.
Here life takes it’s time and this time goes by slowly. In an unusually rural set, a blend of beach and countryside, an unknown location that lives with little. Very little.
Besides the spectacular beaches and the precious fish and seafood that comes as one of the only natural resources, there isn’t much more that can be sold at high prices.
Cebu’s airport is international, easy to get to and, from there, a two hour ferry trip to Bohol, to the city of Tagbilaran. Panglao is roughly 20km away.  The further we are from the urban area, the more we realise everything here is wild. Between palm trees and greenery so dense one almost forgets where the green ends, slowly we start to recognise where the sea is. Panglao is not vulgar. It’s just enough developed for it to be comfortable and not enough to be a popular destination. We stay in Alona Beach, by the end of the peninsula, a small village that it’s only now starting to boost the tourism, though it still is mainly a fishing area.
Alona was home for nearly 3 weeks, lodging prices are nice, quality is high, the pace of life is slow, easy to stay and even easier to like. Unbelievably beautiful. A paradise of crystal clear waters. The main beach, Alona, stretches along the coast line with a few restaurants as authentic as possible, prices still within the affordable range. A few bars with live music, on the beach, mostly relaxed places.
On the other side, there’s Doljo Beach, those who go, feel as if no one has ever been. Coconut trees start just when the fishermen houses end by the beach. The sand is short except on low tide. One of the best things to do here is to find one of the fishermen, agree on the price, and let him take you to the reef and to where the sardine’s shoal are. For about 750 pesos = 15usd you’ll have the experience of a lifetime.

From Alona till the opposite side of the island is roughly 15 to 20min on a motorbike and that shouldn’t cost more than 500pesos/ day, it’s worth looking for a place to stay that includes the bike as the price goes down significantly and it gives you peace of mind too.
Once having the bike, the options are many and it really is imperative to explore. From desert beaches, totally secluded from everyone, to brilliant places for snorkelling, chances are you’ll be dazzled with this place, there’s no road that doesn’t take you through deep jungle, on an endless state of green, no path that doesn’t lead to some lost village, and between the river, the sea, the rice fields and the endless waterfalls, everywhere we went, we were greeted by good people, with a smile on their faces, wanting to talk and to get to know us.

For those who love the sea and the subaquatic word, Panglao offers all the varieties on this department, scuba and snorkel, and for this last one, it can sometimes be done on your own, without having to pay a fee for it.

There is, however, a mandatory trip, not necessarily the island hoping tour, but the one to Balicasag island. Balicasag belongs to the spectrum of special places, it’s so magical and rare we rather not write about. You can not, words wouldn’t make it justice to its beauty, is one of those places you feel only exists on your imaginary world and your eyes are just not capable of absorbing all.

The few touristic attractions that show up on the map are the Tarsier Sanctuary, the smallest mammal in the world and the Chocolate Hills, that as the name says, are an unusual hill formation in a nice chocolate color. These combined make a pleasant day trip but only worth if you go on your own. This is one of those cases where the journey is almost better than the destination.

Contrary to a short term stay, is only when you truly let yourself get lost in a place that you get to understand its essence. A trip to Panglao local market reveals much about the small town. The Philippines, in particular any island or anyone that doesn’t live directly out of tourism, most times live in a precarious state, and most times this is unknown to the outsiders.

A visit to the local market unveils precisely that, people who buy in individual packets, as if this would be the only time they would need such product. Individual packs of oil, mayo, tomato sauce. Normal day to day grocery items sold in single use size because tomorrow is a problem of the future and the important is today. Rice, sugar, soap, sold by the pound/ kilo as one would see on past times. These are simple lives of humble people that are yet to notice the potential value of their own land.

And this is why Panglao is still of the track, still to be discovered, which makes it even more wonderful.

Tip: Check for Nora’s Place on Airbnb, the combo deal of accommodation + motorbike is really good and it allows you to explore the island, plus the place itself is brilliant!

A brief summary of our costs for 18 nights:

  • Lodging: 440 USD (includes motobike rental)
  • Food: 305 USD
  • Transport: 12 USD
  • Entertainment: 28 USD
  • Misc: 58 USD

Total: 843 USD

See you in Indonesia!


Todos nós temos uma imagem da praia perfeita, o paraíso à beira mar que aparece na fotografia da revista e nos deixa a sonhar com as férias. Panglao é precisamente isso.

Toda a gente tem um destino idílico. O paraíso que nos é vendido nas agências de viagem, nas revistas dos famosos e nos filmes. Bohol, parte da região das Visayas, desconcerta por completo, em particular a ilha de Panglao. As Filipinas são um destino consideravelmente longe de chegar, no entanto, quando se chega, percebe-se o porquê de tantos elogios.

Aqui a vida demora-se e o tempo passa devagar. Num estilo estranhamente rural, uma mescla de praia e campo, este destino ainda pouco conhecido vive com pouco. Muito pouco. Além das espectaculares praias e do precioso peixe e marisco que o mar dá (e que são altamente rentabilizados pelo ainda raro turismo), pouco mais é fonte de rendimento. Ainda assim, não há aqui lugar nenhum que não nos deixasse de queixo caído, numa simplicidade que encanta e delicia.

O aeroporto de Cebu é internacional, fácil de chegar e dali, uma viagem de ferry de cerca de 2 horas até Bohol, a cidade de  Tagbilaran. Panglao fica a apenas 20km. À medida que nos afastamos da zona mais urbana, percebemos que aqui tudo é selvagem. Entre palmeiras e uma vegetação tão densa que nos esquecemos onde acaba o verde, aos poucos começamos a perceber o mar ao fundo. Panglao não é vulgar. Está suficiente desenvolvido para ser confortável e não demasiado para se tornar um destino de massas. Ficamos em Alona Beach, no limite da península, uma vila que começa a desenvolver o turismo aos poucos mas continua a ser maioritariamente piscatório.

Alona foi casa durante quase 3 semanas, os preços da estadia são bastante simpáticos, a qualidade é boa, o ritmo de vida é lento, fácil ficar e ainda mais fácil gostar. É indescritivelmente lindo. Um paraíso de águas cristalinas, inigualável. A praia principal, Alona Beach, tem um areal relativamente extenso junto ao mar, ainda que não muito largo. Os restaurantes são típicos e tão autênticos quanto possível com preços ainda aceitáveis. Alguns bares com música ao vivo, em cima da praia num estilo muito descontraído.

Do outro lado, em Doljo Beach, quem vai sente que nunca ninguém foi! Os coqueiros começam no fim dos casebres de pescadores e acabam na praia. O areal é curto, com excepção de quando a maré está vaza. Uma das melhores coisas a fazer aqui é encontrar um desses pescadores, negociar o preço e pedir-lhe que vos leve até ao coral e aos cardumes de sardinhas. Por pouco mais de 750 pesos = 15usd, tem a experiência duma vida.

De Alona até à ponta oposta da ilha são cerca de 15 a 20min de mota, que não deve custar mais de 500pesos/dia, e vale a pena procurar alojamento que já inclua transporte, para nós foi absolutamente imprescindível.

Uma vez tendo alugado mota, as opções são muitas e vale mesmo a pena explorar. Desde praias desertas, totalmente inóspitas a locais incríveis para fazer snorkelling, as hipóteses de descobrir e ficar encantado são gigantes, não há nenhuma estrada que não entre pela selva num verde sem fim, nenhum caminho que não vá dar a uma aldeia qualquer perdida, entre rio, mar, quedas de água e campos de arroz, e em qualquer sítio que fôssemos, fomos sempre recebidos por gente boa, afável e de sorriso na cara, com vontade de falar e conhecer.

Para os que se deliciam com o mar e o mundo subaquático Panglao oferece todas as variedades, snorkelling e mergulho, sendo que o primeiro é possível fazer por conta própria nalguns locais e vale a pena levar/comprar material.

Há, contudo, uma visita obrigatória, a ilha de Balicasag. Balicasag enquadra-se num espectro muito especial, por ser tão mágico é um daqueles sítios que preferimos não descrever. Não vale a pena, quaisquer palavras seriam poucas e não fariam jus à sua beleza, é daqueles locais onde somos transportados no nosso imaginário e os nossos olhos parecem não ser capazes de absorver tudo.

As poucas atrações que realmente surgem no mapa são o santuário dos Tarsier, o mamífero mais pequeno do mundo e os Chocolate Hills, uns montes bastante sinuosos em tom de chocolate. Ambos valem a pena a visita mas com uma ressalva, só vale ir por conta própria. Este é um daqueles casos em que a viagem é a parte mais bonita e chegar não é assim tão importante.

Contrariamente à experiência duma estadia curta, quando nos demoramos nos sítios que visitamos percebemos melhor a sua essência e Panglao não foi diferente. Uma ida ao mercado público revela precisamente isso. As Filipinas, em particular as ilhas e aqueles que não vivem directamente do turismo vivem muitas vezes num estado de precariedade que não é conhecido. Ao visitar o mercado local vimos precisamente isso, gente que compra em doses individuais, muitas vezes em saquetas, como se tratasse de uso único. Saquetas de óleo, de maionese, de polpa de tomate. Mercearia corrente e produtos de limpeza vendidos em doses individuais porque o dia de amanhã é uma preocupação futura e o importante é saber o hoje. Arroz, açúcar e sabão vendido ao quilo, como se via antigamente. São vidas simples com gente humilde que ainda não viu o seu pedaço de terra ganhar o valor que tem.

E por isso não admira que Panglao não seja ainda parte da rota do turista. Está semi por descobrir o que faz com que seja ainda mais maravilhosos!

 

Dica: Vale a pena procurar por Nora’s Place no Airbnb, a combinação de alojamento + mota é realmente boa e permite que se explore a ilha de ponta a lés. Além disso, o sítio em si é óptimo!

Aqui fica um sumário dos nossos gastos em 18 noites:

  • Alojamento: 440 USD (inclui aluguer de mota)
  • Alimentação: 305 USD
  • Transporte: 12 USD
  • Entretenimento: 28 USD
  • Miscelaneo: 58 USD

Total: 843 USD

Vemo-nos na Indonésia!

Welcome to Boracay


Boracay, one of the best known islands in the Philippines, it could easily be compared to Ibiza, once a secret paradise, those days are far behind and the place gets overwhelming packed in high season.

May is the peak season, contrary to Europe, here children are on school break and for that reason most of it is full and overpriced. The Philippines attract an Asian market and mostly have a deeper pocket than we do.
From landing in Caticlan airport to reaching Boracay one could easily be overwhelmed by the surroundings. There’s also an endless number of schemes/ scams to extort money from anyone looking like they don’t belong, a million eyes are required to not fall for these, but even the official prices can look suspicious. Do not be surprised if you find yourself paying a terminal fee, this extra fee comes on top of the your boat ticket and environmental fee… This means you will only board after ending up payment for 3 different prices = 3 different tickets…!
A short 15min ride and we reached Boracay. The 30min ride on the tricycle made us feel like we came to the wrong place. A very rural, dirty and beyond chaotic place, narrow mudy roads, shed like houses, litter on the ground, chickens everyone, open sewages and a general sense of disorder. After a while on this picturesque landscape, we see the big M.
Unbelievably, McDonalds is here, and all out of the sudden we seen to have reach some sort of civilization. All seems to be tourist-oriented, very little of what you see was kept genuine.
The island has a dog bone shape and the main areas are divided into stations, tricycle drivers will charge according to that. Station 3, closer to the pier where the boat leaves you, is budget friendly backpackers, though not as cheap as one would expect, specially considering the quality. Station 2 is the most central one, the mid section of white beach, a long stretch of golden sand, coconut trees and turquoise sea. Depict the fact that it was high season, the beach was not exactly packed at day time. Korean, Japanese and Chinese tourists avoid the strong sun and most times only show up at sunset.
From station 2 to station 1 at the far end of the island, prices increase even more but so does the quality. As you get closer to the iconic Puka beach, resorts are more common.
We stayed in station 2. The island has two main beaches, the White Beach, about 4km long of beautiful sand with hotels lined up, and precisely on the opposite side there’s Bulabog beach, mostly a kite/windsurf beach, nicely set with coconuts, fruit trees, and greenery along the sand line. From one short end to the other its only around 15min walk but the scene changes dramatically.
On the White Beach side all seems to be tourist-oriented. Many many bars, cocktails on the beach kind of place, a lot of over priced restaurants, a few supermarkets (think of this more like a convenience store) and at least 3 McDonald’s facing the sand. It would have been hard for it to be more commercial and less genuine.
Last year, 2016, Boracay has reached a record-high 1.7 million tourists, half of it foreign arrivals and almost 50% being Korean and Chinese. Walking around in Boracay, statistically speaking, you’re as likely to see a Filipino as you are of seeing a Korean/Chinese person!
On the other side though things are different. This is where you see where locals live. Shed like homes, made of bamboo, pieces of timber and a light tin roof are the usual type of accommodation. God only knows how much of it survives to the rainy season if any at all. The once only fisherman village has become more than it probably should. Homestays, hotels, hostels, resorts and all in between are taking more and more space from the original settlements, isolating the locals to areas that are not seen to the naked eye.
If during the day the beach is nearly empty, at sunset everyone comes out.  From the so called D-mall, which is in fact a commercial area filled with small shops all the way to the beach front, all gets really crowed. Korean restaurants, serving sea food and other traditional delicacies are popular around here. The typical Filipino is somewhat an American style kind of place. Overall, prices are much above the expected.
One of the best terms of comparison must be this: the most typical pastries one can get at a bakery shop are probably the ensaymadas. Ensaymadas are somewhat a kind of sweet bread, light dough, fluffy and covered with sugar. At any bakery you’ll find these at 5pesos, that is roughly 10cents of USD. On the other hand, finding a meal for less than 400/500pesos each, that’s 8 to 10USD, nearly 100 times more than the pastry is close to impossible. A massive disparaty.
Boracay was amazing, but unfortunately things have changed and not for the better. If sometimes a place can be a rough diamond, in this case it feels as if the diamond was there at first and now it’s now just a shadow of what it used to be.
A good piece of advice: in order to experience the good things this still has to offer, go in low season, for sure you’ll get a more authentic perspective!
Tip: Look for local bakeries, in particular this one next to D´mall! Also, don’t miss the chance to visit this amazing place: Spider House even if you don’t sleep there, it’s definitely worth checking it out! 

A brief summary of our costs for 4 nights:

  • Lodging: 80 USD
  • Food: 100 USD
  • Transport: 24 USD

Total: 204 USD

See you in Bohol!

 


Boracay, uma das ilhas mais conhecidas das Filipinas, poderia facilmente ser comparada a Ibiza, outrora um paraíso escondido, hoje em dia um destino que fica totalmente inundado de turistas na época alta.

Maio é época alta, muito alta diga-se, contrariamente à maior parte da Europa, aqui as crianças estão em férias escolares e por isso a maior parte dos sítios está cheio e inflacionado. Além disso, as Filipinas atraem um mercado de turismo asiático que, por norma, tem uma carteira mais recheada que a nossa.

Desde do aeroporto de Caticlan e até chegar a Boracay são vários os esquemas de extorsão a qualquer um que não pareça pertencer e, por isso, é preciso mil olhos até nos ditos preços ‘oficiais’. Não se surpreendam se acabarem por ter de pagar uma taxa de terminal em cima do preço de bilhete, que por sua vez vem acompanhado com uma taxa ambiental. Ou seja, antes de embarcar no precário barco que faz a travessia Caticlan-Boracay, pagam-se 3 taxas, 3 bilhetes diferentes…!

Uns curtos 15 minutos e chegamos. Outros 30 minutos num triciclo mal amanhado e pensamos que devemos estar no sítio errado. Uma zona extremamente rural, caminhos mal pavimentados, esgoto a céu aberto a correr em paralelo com a rua lamacenta, casas tipo cabanas, lixo, muito lixo, galinhas por aqui e por ali. Uma desordem total.
Pouco depois desta visão pitoresca, vemos o grande M. Por incrível que pareça, o McDonalds chegou aqui e é a primeira coisa que vemos antes de sequer reconhecermos o que apareceria metros à frente, aquilo que seria a zona civilizada. Tudo altamente orientado para o turista e muito pouco genuíno.
A ilha tem uma forma rectangular e as suas áreas principais dividem-se em 3 estações, quem conduz os triciclos cobra de acordo com a estação para onde se vai de forma, mais ou menos, justa. A estação 3, a mais próxima do porto, será a mais económica em termos de alojamento, apesar de deixar muito a desejar no que respeita à qualidade. A parte central da ilha corresponde à estação 2, que é também a zona principal da famosa White Beach, a praia de areias brancas e finas, côcos e mar turquesa. Apesar de ser época alta, a praia nunca esteve cheia durante o dia. O tal turismo Asiático evita o sol quente das horas perigosas e só aparece ao por do sol.
Da estação 2 para a 1, e à medida que nos aproximamos da ponta da ilha, os preços aumentam mas também aumenta a qualidade dos hotéis e resorts e a chegar à icónica Puka Beach este tipo de alojamento é o mais vulgar.
A ilha tem duas prais grandes, a White Beach, cerca de 4km de um fabuloso areal que se extende ao longo dos inúmeros hóteis e, precisamente do lado oposto, Bulabog Beach, acima de tudo uma praia para kite e windsurf, mais selvagem, onde mais côcos e vegetação percorrem a praia. De um estreito ao outro da ilha demora-se cerca de 15min a pé mas o cenário muda dramaticamente.
Do lado da White Beach tudo se vende. Muitos muitos bares, género cocktails na praia, um sem número de restaurantes inflacionados, alguns supermercados (entenda-se algo do género de uma loja de conveniencia) e pelo menos 3 McDonalds de frente para o mar. Seria díficil ter tornado este outrora paraíso em algo mais comercial e menos genuíno.
Só durante o ano passado, 2016, Boracay atingiu um recorde de 1,7 milhoes de turistas, metade estrangeiros e cerca de 50% sendo Sul Coreanos e Chineses. Quem anda a pé em Boracay, e estatiscamente falando, é tão provável encontrar um Filipino como um Coreano/Chinês!
Do outro lado da ilha as coisas são diferentes. Aqui é onde os locais vivem. Barracos na praia, numa combinação de bambu, madeira e telhados de lata, este é o tipo de casa que se vê. Sabe Deus quanto daquilo sobrevive às chuvas, se é que alguma coisa sobrevive de todo. A vila outrora piscatória tornou-se em algo maior do que provavelmente deveria. Homestays (algo semelhante a uma residencial), hotéis, hostéis, resorts e outros afim tomam mais e mais espaço daquilo que Boracay foi, e isolam a populaçao local que, por sua vez, já não é, nos dias de hoje, sequer vista a olho nu.
Se durante o dia a praia está praticamente vazia, é quando o sol se põe que um mar de gente invade as ruas – algumas arriscam até pôr o pé na areia para, vestidos de cima abaixo, fazer a pose e tirar a foto da praxe. Do espaço comercial central, o chamado D-mall, que nada mais é que um porta sim-porta não de lojinhas, até à praia, tudo fica entupido. Os restaurantes servem o marisco e outras coisas típicas para asiaticos; já os Filipino são mais estilo Americano: fritos e fast food. No geral, os preços são altos, em particular para o que vendem.
Um dos melhores termos de comparação são as padarias. O bolo mais tradicional que se pode encontrar numa padaria das Filipinas é, talvez, as Ensaymadas. Uma espécie de pão doce, bastante fofo e com açúcar no topo. O preço é consistente, provavelmente por ser dirigido aos locais, e custa menos de 10 cêntimos. No entanto, encontrar uma refeição que custe menos de 400/500pesos por pessoa, cerca de 8 a 10USD, portanto, 100 vezes mais caro que um bolo, é praticamente impossível.
A melhor dica que podemos deixar é ir em época baixa para que a experiência seja um pouco mais genuína.
Boracay é incrível mas infelizmente muito mudou com o passar dos anos e não para melhor. Se por vezes um destino pode ser um diamante em bruto, neste caso sentimos que o diamante já lá estava numa primeira instância e é agora uma sombra daquilo que ja foi.
Dica: As padarias locais vendem uma data de coisas boas a um preço imbatível, em particular a da esquina do D´mall! Vale também a pena checar este sítio: Spider House
Mesmo que não fiquem lá a dormir, vale uma visita!
Um pequeno sumário dos nossos gastos para 4 noites:
  • Alojamento: 80 USD
  • Alimentação: 100 USD
  • Transportes: 24 USD

Total: 204 USD

Vemo-nos em Bohol!

Welcome to Phuket!

Well, well, well, and so we reached Phuket…

Phuket, Patong beach, roughly a 40min drive from the airport (mini-van, 180THB). One of the most popular among fellow travelers, this is for sure a city in steroids. To make it a bit brighter we shall start with the positives: it is an easy place to reach the most beautiful islands, Phi Phi Don, Maya Bay, and others like these…Patong beach is not exactly bad, but it is far from the paradise-postcard-image we all expect to see. It was good enough for the first sunbathing as the water was warm and the beach wasn’t too crowded!

Now the harsh reality, lets call it the not so positives: the countless massage places, with plastic girls, girlish boys, and everything in between, their calling (constant calling) anywhere you walk and even if you totally ignore, one simply can not pass by without the ´masssssage!´ Honestly, this is absolutely annoying.
The lack of decent places to eat. Patong is no longer a small town kinda of place where you can find the nice, traditional food for a reasonable price. Instead, most restaurants are overpriced and overrated. Expensive food that doesn’t satisfies.
The night scene: with the exception of a hand full of bars/ pubs where you could actually see yourself having a nice evening, most of the nightclubs/ bars/ pubs are not only full of prostitutes, but also filled with people that you are not quite sure where they came from or if they should even be allowed in.
Last but not least, and this one has a special place for me since it was something that truly made me think how much this place still can get away with. So just pictured this: you come here on holidays, a part from your cash and debit/credit card, your passport is probably the most valuable item you carry. Now, in Patong, as in other places in Thailand, if you wish to rent a motorbike, you will find yourself being asked to leave your passport. Not only is this reckless from a common sense perspective, it is also the perfect way for someone to take advantage of your situation.
Bare in mind: most of the places renting motorbikes are on the street. Small, fragile, suspicious stalls.
So, this is a summary of Patong. Thailand has absolutely jaw dropping places, this doesn’t quite makes it justice.
Tips:
If, you find yourself here, do try the banana pancake!
A brief summary of our costs for 4 nights:
  • Lodging: 3,400 THB
  • Food: 2,300 THB
  • Transport: 440 THB

Total: 6,140 THB (177.40 USD)

See you in Phi Phi Don!

 


Ora bem, chegamos a Phuket…

Phuket, Patong beach, cerca de 40min de distancia do aeroporto (mini-van, 180THB). Sendo um dos locais mais populares para turistas, esta cidade está sem dúvida em esteróides.  Para começar numa nota mais alegre, vamos aos pontos positivos: Patong é o local ideal para chegar às ilhas mais bonitas, como Phi Phi Don, Maya Bay e outras que tal. A praia de Patong não é exactamente má mas está longe da praia do postal estilo paradisíaco que esperávamos. Foi bom para os primeiros mergulhos e banhos de sol, a agua é quente e a praia não estava sobrelotada.

Agora vamos à dura realidade, falemos das coisas menos-positivas: são sem conta os ‘centros’ de massagem, uns mais duvidosos que os outros,  as meninas de plástico, as meninas-menino e tudo o que possam imaginar no entretanto. O constante chamar a cada passagem: ‘massaaaaaage’, em qualquer lado que passes, independentemente do nível de desprezo, é impossível não as ouvir. Honestamente, altamente irritante.

A falta de sítios decentes para comer é outro ponto negativo para Patong. Esta deixou de ser uma pequena vila onde se poderia encontrar a comida tradicional, simples, a um preço simpático. A maioria dos restaurantes são caros e servem mal. A comida além de cara, não é, de todo, boa.

A vida nocturna. Com a excepção duma mão cheia de bares ou pubs onde realmente o ambiente é bom, a grande maioria, não está apenas cheia de prostitutas, mas também inundada de gente duvidosa.
Por fim, mas não menos importante, e neste caso não se trata apenas de algo subjectivo mas acima de tudo, de um aviso, já que são muitas as histórias de esquemas à volta deste tema: aluguer de mota. Estando de férias, à parte do dinheiro/ cartão de crédito, o passaporte (em particular um da união europeia), é provavelmente o que de mais precioso nós temos connosco. Ora, em Patong, como em outros locais na Tailândia, caso queiras alugar uma mota, vais te encontrar numa situação em que te será pedido o passaporte como garantia. Não só isto é altamente estúpido do ponto de vista de senso comum, é também a forma perfeita para que alguém tire partido disso.
Em particular tendo em conta o seguinte: a maioria dos locais que alugam motas são literalmente na rua, pequenas lojas e bancadas, frágeis e suspeitas onde eu não quereria nunca deixar o meu passaporte.
E pronto, isto foi um resumo de Patong. A Tailândia tem autênticos paraísos, de ficar de queixo caído, este não lhe faz justiça.

Dicas:
Se por ventura se encontrarem por estes lados, vale a pena experimentar a panqueca de banana!
Um resumo dos nossos gastos em 4 noites:
  • Alojamento: 3,400 THB
  • Alimentação: 2,300 THB
  • Transporte: 440 THB

Total: 6,140 THB (177.40 USD)

Vemo-nos em Phi Phi Don!