Welcome to Bali & Lombok

bali

Bali, known as the Island of Gods, is an extremely popular destination that attracts millions of travelers every year. No matter what you are looking for, you will find it here: crystal clear water and white sand beaches with good waves for surfing; vibrant green rice fields and dense jungles to explore; majestic Hindu temples and spiritual practices for body and mind; and much more – Bali is a place for everyone.

As soon as one lands in Bali, will instantly get in touch with Hinduism. Indonesia is the largest predominantly Muslim country, but in Bali approximately 84% of the population is Hindu.

The religion is deeply rooted in the Balinese culture: the families live together in beautiful villas, where they build their own private temples. They spend part of their days carefully preparing offerings to the Gods – small baskets made of banana leafs, filled with colorful flowers, incense sticks, rice, fruits and much more. Every morning the offerings are deliberately placed in front of rooms, statues of deities, or on the streets – It’s impossible not to appreciate the dedication and time that Balinese people spend preparing for their religious rituals. Big Hindu ceremonies happen regularly,  and being invited by a local to join one of them it’s a unique experience: The sweet smells of incense, the colorful offering baskets piled up in tables, the locals properly dressed in traditional balinese clothes and the praying rituals, will take you to another dimension and make you truly believe that there is something above us.

flowers

The number of temples on the island it’s a reflection of the importance of religion in the Balinese culture: With over 6000 temples, Bali it’s an appealing destination for those who want to explore the spiritual side of an ancient culture.

There are different kinds of temples, and the differences between them depend on the purpose of the worship. Some will surprise you by their history, looks such as the popular Tanah Lot – a temple located on the south of the island that looks like a giant rock floating in the Indian ocean; others will surprise you by their unusual location – the Lempuyang Temple, located on the top of a mountain, it’s only reachable via a steep staircase of over 1,700 steps, with attractions along the way including several other temples and hordes of grey long-tailed macaques that inhabit the surrounding cool mountain forests.

In Bali, the temples are perfectly integrated with the nature, which demonstrates the interesting connection between religion and nature characteristic of hinduism.

From south up to the north, there is a lot more to explore, and the beaches are one of the main attractions. There is one to suit every taste: on the island’s south coast such as Kuta, you will find palm-fringed white sand beaches; towards Uluwatu, cliff-guarded ‘hidden’ shores; On the north and western shorelines, black sand beaches. The highly developed, crowded and touristic Kuta, contrasts with Saba, an undeveloped and non-touristic place with an interesting beach where the locals bury their bodies on the black sand until the neck –  it’s believed that the shiny black sands have healing properties.

All over Bali, the waves are an invitation for the surf lovers, and the bright pink sunsets are the perfect excuse to stay longer on the beach.

Captura de ecrã 2017-12-03, às 21.45.03

On the island’s center, the perfectly arranged rice fields are abundant and the jungles hide beautiful waterfalls that deserve to be explored, and Ubud is the perfect example of it – the greener place in Bali, at all levels. Here, the nature surrounds you with immense beauty, and the healthy practices for body and mind characteristic of this beautiful village and it’s people, attract millions of travellers every year, in search for a more conscious and healthy lifestyle.

From raw, vegetarian and organic food to yoga classes, meditation or cacao ceremonies, Ubud is home to a big spiritual community that can change you deeply – inside and outside.

old-balinese-woman

On the north, the mount Batur is the perfect excuse for another adventure. Seeing the Volcano is, by itself, an experience, but it’s possible to climb it during the early hours of the morning and watch the sunrise from the top of it. The mount Batur is surrounded by a lake – a beautiful place for a bike ride to enjoy the volcano from a different perspective and appreciate the nature and small villages around it. The roads are bumpy, but they don’t have the chaotic traffic characteristic of Bali.

Roaming through the streets, between shops, markets and temples, the local Warungs and Padangs stand out – restaurants with delicious local food, prepared and cooked in a variety of ways. On Warungs the menu consists on the traditional local dishes: the famous nasi gorend (fried rice with meat), mie goreng (friend noodles with meat), Ayam Bakar (grilled chicken), and many more. On Padangs you pay for what you eat – The family that runs the restaurant will cook all the food for the day in the morning, and place the dishes in the window.  They sit there all day until they are eaten.

nasi goreng

The popularity of Bali grows more and more every year. The island of Gods has a lot to offer, and it’s estimated that over a million of foreigners have chosen Bali has their home away from home. But with popularity a huge development came and the big resorts, fancy restaurants, buses filled with tourists and a lot of traffic are a reality in Bali nowadays. The low-cost lifestyle attracts a remote workers and backpackers from all over the world, but the prices are slowly increasing every year and Bali is becoming a more expensive and westernized destination.

But Bali, it’s a place that deserves to be experienced – the beauty it’s not only in the places, but deep inside of its people.

Bali is one of the few cultures with origins in one of the great ancient cultures which is still alive – Arthur Ericsson


 

Lombok is a different animal all together. Lombok is not meant for tourists, it lacks a lot of the comfortable amenities one could expect when going on holidays. Located east of Bali, mostly Muslim, it is becoming more and more common among people looking for a more genuine experience when in Indonesia. A lot less developed, Lombok hides all its treasures to itself and only the one that visits can truly understand how much there is to discover.

Once you arrive, you´ll be surprised by how rural this island is, specially when compared to Bali. There are still resorts and hotels but the most common type of lodging here is definitely the homestay. These are present on every other street of Kuta Lombok, a small village where most expats and tourists stay. Often quiet and a lot less busy than most people expect, those who come can enjoy a peaceful stay, as many surf places as there are beaches, for all levels, amazing good food at affordable prices, a few jam sessions after sunset.

Almost every beach trip includes a 20 to 30 minutes bike ride through the green rural fields, where the agricultural side is still very present and it is not uncommon to see a herd crossing the road, on their own pace, imposing big animals, which means anyone passing by, should make time for it. The mountains reveal a much more secluded and conservative population, where people live simple lives and time doesn’t seem to have passed here. Most farmers grow maize and for that reason the landscape changes throughout the year, depending on the stage of the crops. Regardless of that, the scenery  is beautiful and the sense of calm one can feel crossing these mountains is indescribable. A mix of adventure and detachment for all material things, where the only thing in mind is to reach the next beach, and in every valley, between the slippy hills, there’s the sea, waiting for the long way down on the gravel and dirt road.

Selong beach is probably among the most known ones, a beach break, perfect for anyone looking to learn how to surf, it offers commodities such as sun beds, a few shed-like beach bars, but not a lot more. As one moves further away from the entry, the fishermen boats become more obvious and it is clear this is still their beach. Children playing on the sand, their own playground, their backyard in some way, their fathers boats moored serve as castles and everything seems simple. Every now and again buffaloes cross the beach and this is probably the most fantastic thing any one laying on the sand can ever witness, the beautiful animals.
If adrenaline is what you’re looking for, then Desert Point on the west side of the island will be the spot. In contrast to Selong, this is where big waves take place, an absolutely spectacular demonstration of how powerful mother nature is. 

If one wished to define Lombok in one word it would definitely be surfing but there’s something else to be mentioned: the kindness of their people. Here, more than anywhere else we’ve been too, people were genuinely good, willing to share whatever they had, and every stranger was worth their smile and their good will, regardless of how little they had, there was always enough to share. And that’s something to treasure.

Indonesia is very different from the paradise kind of place, the idilic beach of sun and sea, its a lot more than that. Yes, there’s that but it’s the culture, the people, the food and the rural landscape that can take your breath away and never stop surprising you!

Tip: If you’re looking to stay within budget look online for traveloka website and you’ll find the best price for lodging. Its also worth checking the price directly on the homestay where you wish to stay. As for the best and most authentic place to eat in Ubud: Kedai D’Sawah not only it has the best and most incredible views, it also has amazingly tasty food at an impressive prince.

A brief summary of our costs for 31 nights:

  • Lodging: 502 USD
  • Food: 462 USD
  • Transport: 50 USD
  • Entertainment: 185 USD
  • Misc: 171 USD (surfboards, motorbike, extras)

Total: 1,370 USD

See you in Singapore!


 

 

Bem-vindos a Bali & Lombok!

bali

Bali, conhecida como a ilha dos Deuses, é um destino extremamente popular que atrai todos os anos milhares de turistas. Independentemente daquilo que cada um busca, certamente irá encontrar aqui: águas cristalinas e praias com óptimas ondas para surfar, campos de arroz de um verde vibrante e uma densa selva para explorar, majestosos templos e locais espirituais para cuidar do corpo e da mente; e muito mais – Bali tem algo para cada um.

Logo à chegada a Bali, há um contacto quase imediato com o Hinduísmo. A Indonésia, sendo um país predominantemente Muçulmano, tem Bali como a excepção onde cerca de 84% da população é Hindu.

A religião está, por sua vez, entranhada na cultura Balinesa: a famílias vivem tradicionalmente em lindíssimas casas, onde constroem os seus próprios templos no jardim. Uma parte importante dos seus dias é dedicado à preparação de oferendas aos Deuses – pequenas cestas feitas de folha de banana, com flores coloridas incenso, arroz ,fruta e muito mais. A cada manhã estas oferendas são deliberadamente colocadas à porta dos quartos, junto a estátuas ou até mesmo nas ruas – é impossível não apreciar a dedicação e tempo que cada Balinês coloca na preparação dos seus rituais religiosos, cumpridos a rigor. Grandes cerimónias Hindu têm lugar frequentemente, e ser convidado por um local para participar de um destes eventos é uma experiência única: o cheiro adocicado dos incensos, os coloridos cestos empilhados sobre a mesa das oferendas, os locais vestidos a preceito nas suas vestes tipicamente Balineses e os rituais de adoração, todo este cenário transporta-nos para uma outra dimensão e fazem-nos acreditar e que existe Algo acima de nós.

flowers

O número de templos presentes na ilha é um indicador da importância que a religião tem, de facto, na vida e cultura de Bali e das suas gentes: são mais de 6000 templos, e por isso este sítio se tornar um destino apelativo para todos os que desejam explorar o lado espiritual duma cultura ancestral.

Existem diferentes tipos de templos, sendo que cada um tem uma função específica consoante aquilo que se pretender adorar. Alguns surpreendem pela sua história, outros pela sua imagem como, por exemplo, o Templo de Tanah Lot, um templo localizado no sul da ilha, assemelhando-se a um rochedo que mais parece flutuar sobre o oceano Índico; outros surpreendem pela sua localização peculiar, como o de Lempuyang, localizado no topo da montanha e apenas acessível através duma subida íngreme e perigosa com mais de 1,700 degraus, mas que, no entanto, fica incluída na visita a este templo outros pelo caminho e também a companhia de bandos de macacos cinzentos de cauda comprida, que escolhem fazer desta inóspita montanha a sua casa por a temperatura aqui ser substancialmente mais fresca.

Em Bali, os templos estão perfeitamente integradas com a natureza, o que demonstra uma interessante ligação entre a religião e a natureza, característica intrínseca do próprio Hinduísmo.

De Norte a Sul, há muito por onde explorar e as praias são uma das principais atrações. Existe uma para cada gosto e feitio: na costa sul, Kuta, por exemplo, encontram-se praias de palmeiras na areia; enquanto que em Uluwatu os desfiladeiros escondem baías secretas; já a norte e oeste, a beira-mar quer-se preta com areias vulcânicas e finas. A sobre-desenvolvida Kuta contrasta com Saba, uma área ainda por explorar e pouco turística, com uma particularidade curiosa, uma praia onde os locais cobrem o seu corpo até ao pescoço com areia preta – estes acreditam que as areias vulcânicas tenham propriedades curativas.

Por toda a Bali, as ondas são um convite para os amantes do surf, e os pôr-do-sol cor-de-rosa são a desculpa perfeita para prolongar o dia na praia.

Captura de ecrã 2017-12-03, às 21.45.03

No centro da ilha, os campos de arroz preciosamente arranjados são abundantes e as selvas escondem bonitas quedas-de-água que merecem ser vistas; Ubud é o exemplo perfeito disto mesmo – o local mais verde de Bali, em todos os níveis e sentidos. Aqui a natureza envolve-nos na sua beleza imersiva e são muitos os rituais para cuidar do corpo e da mente nesta charmosa vila que, por isso mesmo, atrai tantos visitantes ao longo do ano todo, em busca dum estilo de vida mais saudável e consciente.

De comida raw, vegetariana e orgânica, a aulas de yoga, meditação e até cerimónias de cacau, Ubud é casa para toda uma comunidade de gente muito espiritual que pode mudar qualquer um drasticamente, por dentro e por fora.

old-balinese-woman

A norte, o Monte Batur é o pretexto perfeito para mais uma aventura. Ver o vulcão é, por si só, uma experiência, mas caminhar durante horas pela madrugada a dentro para ver o nascer do sol no seu cume é algo transcendente. Monte Batur é rodeado por um lago – um sítio calmo e ideal para uma pacífica viagem de mota e apreciar o vulcão de uma outra perspectiva, bem como toda a natureza envolvente e pequenas vilas que aqui existem. As estradas podem ser turbulentas mas em nada se assemelham ao caos citadino de Bali.

Vagueando pelas ruas, entre lojas, mercados e templos, os populares Warungs e Padangs sobressaem – restaurantes com deliciosa comida típica, preparam e cozinham estas iguarias locais numa variedade de formas. Nos Warungs os menus consistem nos pratos tradicionais: o famoso Nasi Goreng (arroz frito com carne), Mie Goreng (semelhante mas com noodles em vez de arroz), Ayam Bakar (frango frito) e muitos mais. Já nos Padang cada um paga por aquilo que come – a família que gere o restaurante normalmente cozinha os pratos pela manhã e ali ficam na janela até serem comidos.

nasi goreng

A popularidade de Bali cresce mais a cada dia. A ilha dos Deuses tem muito para oferecer e é estimado que mais de um milhão de estrangeiros tenha já escolhido Bali como a sua segunda casa. Mas com a popularidade vem o desenvolvimento em massa e para as massas, grandes resorts, restaurantes chiques e autocarros carregados de turistas que adicionam ainda mais peso ao já complicado trânsito. A vida a baixo custo atrai trabalhadores independentes e gente de mochila às costas vindos de toda a parte do mundo mas a pouco e pouco os preços vão subindo e a cada ano que passa Bali torna-se cada vez mais dispendiosa e ocidentalizada.

Mas Bali é um sítio que merece ser experienciado – a beleza do local não é está apenas no lugar, mas também enraizado nas suas gentes. 

Bali é uma das poucas culturas com origem numa das grandes culturas ancestrais que ainda hoje está viva – Arthur Ericsson

Artigo original sobre Bali, texto e ilustrações em 195travellingtales, escrito e ilustrado por Nuno Ramalhão, para mais histórias, clicar aqui!


 

Lombok é um animal de uma outra espécie totalmente diferente. Lombok não foi pensado para turistas, falta-lhe o conforto de todos os extras que se espera numas férias. Localizado a este de Bali, maioritariamente Muçulmano, tem-se tornado cada vez mais popular entre aqueles que procuram uma experiência mais genuína ao visitar a Indonésia. Muitíssimo menos desenvolvido, Lombok esconde os seus segredos para os seus e só visitando se percebe o quanto há para explorar.

Mal se chega pode-se perceber o quão rural este local é, em particular quando comparado a Bali. Sim, ainda se vêm resorts mas são uma ave rara comparada com o tipo mais vulgar de estadia, as chamadas homestay. Uma homestay, como o nome indica, será algo semelhante a uma residencial, ainda que provavelmente num registo bastante mais precário do que aquilo que estamos habituados a ver. Presentes porta-sim, porta-sim em Kuta, Lombok, esta pequena vila, em nada semelhante a Kuta-Bali é bastante mais parada e muito menos populada do que algumas pessoas esperariam, mas os que lá vão podem usufruir duma estadia calma e praias para surfar (tantas quantas se queiram) apropriadas a todos os níveis, preços incrivelmente baixos e alguma música ao vivo e jam sessions depois do pôr-do-sol.

Quase sem excepção, as idas à praia implicam um passeio de mota pelos campos verdejantes, onde o cariz agrícola está ainda bastante presente e não é invulgar ver uma manada a atravessar a estrada, ao seu próprio ritmo e sem pressas, animais imponentes, sendo que qualquer um naturalmente pára e obedece ao código da estrada.

Entre vales e montanhas revela-se uma população muito mais reservada e conservadora, onde se vive uma vida simples e onde o tempo parece ter parado. A maioria dos agricultores continua a cultivar milho e por isso mesmo a paisagem muda substancialmente consoante a época do cultivo. Independentemente disso, o cenário é absolutamente lindo e tem-se uma sensação de tranquilidade indescritível ao percorrer estas colinas. É um misto de aventura e desprendimento de tudo o que seja material, onde tudo o que importa é chegar à próxima praia, ver mais um bocado de mar, correr cada vale, entre altos e baixos de estrada esburacada e lamacenta, vê-se sempre o azul ao fundo, à espera dos que chegam de prancha amarrada à mota, à procura de mais uma onda.

A praia de Selong é provavelmente a mais conhecida, fundo de areia, perfeita para quem está a começar/ quer aprender a surfar, com algumas comodidades, cadeiras de praia e guarda-sóis, alguns bares de praia, ainda que não sejam mais do que uns barracos de madeira, mas não muito mais do que isto. Ao afastar-mo-nos do acesso à praia, percebem-se os barcos de pescadores e fica claro que esta areia lhes pertence. As crianças em roupas esfarrapadas brincam aqui como se fosse o seu parque infantil, estão no seu quintal, digamos, aquele areal é tudo o que conhecem e as pequenas embarcações ali atracadas são os seus castelos. Tudo nos parece simples. A cada duas por três os búfalos atravessam a praia, e esta é, provavelmente a visão mais espectacular de sempre.

Se por um lado Lombok é capaz de transmitir esta paz imensa, a adrenalina não deixa de estar sempre do outro lado de cada falésia. Desert Point, na costa oeste, é o pico e as ondas grandes tem aqui lugar, numa incrível demonstração do poder da Mãe Natureza.

Se se tratasse de definir Lombok numa só palavra, poder-se-ia falar do surf, mas seria igualmente injusto não mencionar um outro aspecto: a gentileza da sua gente. Aqui, mais que em qualquer outro lugar, sente-se a genuinidade das pessoas, a disponibilidade de estender a mão e partilhar seja o que for que tenham, o saber inato que mesmo um estranho vale o seu sorriso e a sua boa-vontade, e o pouco que possuem é para ser dividido de bom grado. E isso é algo que é impossível não admirar.

A Indonésia, ainda que seja algo muito diferente da imagem paradisíaca que se cria no nosso imaginário, é um destino que traz muito mais que somente praias e sol, a sua cultura, a sua gente, a comida e a paisagem rural são de cortar a respiração e nunca deixam de surpreender!

Dica: Alguns países têm sites mais vulgares onde encontrar alojamento, neste caso particular, o traveloka é o website. Vale também, depois de ter verificado este site, passar directamente na homestay em questão e negociar o preço. Já no que diz respeito ao melhor e mais original sítio para comer em Ubud, este é imperdível: Kedai D’Sawah  não só tem as melhores e mais incríveis vistas como a comida é absolutamente maravilhosa e a um preço imbatível.

Aqui fica um sumário dos nossos gastos em 31 noites:

  • Alojamento: 502 USD
  • Alimentação: 462 USD
  • Transporte: 50 USD
  • Entretenimento: 185 USD
  • Miscelâneo: 171 USD (inc. aluguer de pranchas de surf, mota, extras)

Total: 1,370 USD

Vemo-nos em Singapura

Author: 2aroundtheglobeblog

Architect, currently on a around the world trip! ✌🏻

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s