Welcome to Bali & Lombok

bali

Bali, known as the Island of Gods, is an extremely popular destination that attracts millions of travelers every year. No matter what you are looking for, you will find it here: crystal clear water and white sand beaches with good waves for surfing; vibrant green rice fields and dense jungles to explore; majestic Hindu temples and spiritual practices for body and mind; and much more – Bali is a place for everyone.

As soon as one lands in Bali, will instantly get in touch with Hinduism. Indonesia is the largest predominantly Muslim country, but in Bali approximately 84% of the population is Hindu.

The religion is deeply rooted in the Balinese culture: the families live together in beautiful villas, where they build their own private temples. They spend part of their days carefully preparing offerings to the Gods – small baskets made of banana leafs, filled with colorful flowers, incense sticks, rice, fruits and much more. Every morning the offerings are deliberately placed in front of rooms, statues of deities, or on the streets – It’s impossible not to appreciate the dedication and time that Balinese people spend preparing for their religious rituals. Big Hindu ceremonies happen regularly,  and being invited by a local to join one of them it’s a unique experience: The sweet smells of incense, the colorful offering baskets piled up in tables, the locals properly dressed in traditional balinese clothes and the praying rituals, will take you to another dimension and make you truly believe that there is something above us.

flowers

The number of temples on the island it’s a reflection of the importance of religion in the Balinese culture: With over 6000 temples, Bali it’s an appealing destination for those who want to explore the spiritual side of an ancient culture.

There are different kinds of temples, and the differences between them depend on the purpose of the worship. Some will surprise you by their history, looks such as the popular Tanah Lot – a temple located on the south of the island that looks like a giant rock floating in the Indian ocean; others will surprise you by their unusual location – the Lempuyang Temple, located on the top of a mountain, it’s only reachable via a steep staircase of over 1,700 steps, with attractions along the way including several other temples and hordes of grey long-tailed macaques that inhabit the surrounding cool mountain forests.

In Bali, the temples are perfectly integrated with the nature, which demonstrates the interesting connection between religion and nature characteristic of hinduism.

From south up to the north, there is a lot more to explore, and the beaches are one of the main attractions. There is one to suit every taste: on the island’s south coast such as Kuta, you will find palm-fringed white sand beaches; towards Uluwatu, cliff-guarded ‘hidden’ shores; On the north and western shorelines, black sand beaches. The highly developed, crowded and touristic Kuta, contrasts with Saba, an undeveloped and non-touristic place with an interesting beach where the locals bury their bodies on the black sand until the neck –  it’s believed that the shiny black sands have healing properties.

All over Bali, the waves are an invitation for the surf lovers, and the bright pink sunsets are the perfect excuse to stay longer on the beach.

Captura de ecrã 2017-12-03, às 21.45.03

On the island’s center, the perfectly arranged rice fields are abundant and the jungles hide beautiful waterfalls that deserve to be explored, and Ubud is the perfect example of it – the greener place in Bali, at all levels. Here, the nature surrounds you with immense beauty, and the healthy practices for body and mind characteristic of this beautiful village and it’s people, attract millions of travellers every year, in search for a more conscious and healthy lifestyle.

From raw, vegetarian and organic food to yoga classes, meditation or cacao ceremonies, Ubud is home to a big spiritual community that can change you deeply – inside and outside.

old-balinese-woman

On the north, the mount Batur is the perfect excuse for another adventure. Seeing the Volcano is, by itself, an experience, but it’s possible to climb it during the early hours of the morning and watch the sunrise from the top of it. The mount Batur is surrounded by a lake – a beautiful place for a bike ride to enjoy the volcano from a different perspective and appreciate the nature and small villages around it. The roads are bumpy, but they don’t have the chaotic traffic characteristic of Bali.

Roaming through the streets, between shops, markets and temples, the local Warungs and Padangs stand out – restaurants with delicious local food, prepared and cooked in a variety of ways. On Warungs the menu consists on the traditional local dishes: the famous nasi gorend (fried rice with meat), mie goreng (friend noodles with meat), Ayam Bakar (grilled chicken), and many more. On Padangs you pay for what you eat – The family that runs the restaurant will cook all the food for the day in the morning, and place the dishes in the window.  They sit there all day until they are eaten.

nasi goreng

The popularity of Bali grows more and more every year. The island of Gods has a lot to offer, and it’s estimated that over a million of foreigners have chosen Bali has their home away from home. But with popularity a huge development came and the big resorts, fancy restaurants, buses filled with tourists and a lot of traffic are a reality in Bali nowadays. The low-cost lifestyle attracts a remote workers and backpackers from all over the world, but the prices are slowly increasing every year and Bali is becoming a more expensive and westernized destination.

But Bali, it’s a place that deserves to be experienced – the beauty it’s not only in the places, but deep inside of its people.

Bali is one of the few cultures with origins in one of the great ancient cultures which is still alive – Arthur Ericsson


 

Lombok is a different animal all together. Lombok is not meant for tourists, it lacks a lot of the comfortable amenities one could expect when going on holidays. Located east of Bali, mostly Muslim, it is becoming more and more common among people looking for a more genuine experience when in Indonesia. A lot less developed, Lombok hides all its treasures to itself and only the one that visits can truly understand how much there is to discover.

Once you arrive, you´ll be surprised by how rural this island is, specially when compared to Bali. There are still resorts and hotels but the most common type of lodging here is definitely the homestay. These are present on every other street of Kuta Lombok, a small village where most expats and tourists stay. Often quiet and a lot less busy than most people expect, those who come can enjoy a peaceful stay, as many surf places as there are beaches, for all levels, amazing good food at affordable prices, a few jam sessions after sunset.

Almost every beach trip includes a 20 to 30 minutes bike ride through the green rural fields, where the agricultural side is still very present and it is not uncommon to see a herd crossing the road, on their own pace, imposing big animals, which means anyone passing by, should make time for it. The mountains reveal a much more secluded and conservative population, where people live simple lives and time doesn’t seem to have passed here. Most farmers grow maize and for that reason the landscape changes throughout the year, depending on the stage of the crops. Regardless of that, the scenery  is beautiful and the sense of calm one can feel crossing these mountains is indescribable. A mix of adventure and detachment for all material things, where the only thing in mind is to reach the next beach, and in every valley, between the slippy hills, there’s the sea, waiting for the long way down on the gravel and dirt road.

Selong beach is probably among the most known ones, a beach break, perfect for anyone looking to learn how to surf, it offers commodities such as sun beds, a few shed-like beach bars, but not a lot more. As one moves further away from the entry, the fishermen boats become more obvious and it is clear this is still their beach. Children playing on the sand, their own playground, their backyard in some way, their fathers boats moored serve as castles and everything seems simple. Every now and again buffaloes cross the beach and this is probably the most fantastic thing any one laying on the sand can ever witness, the beautiful animals.
If adrenaline is what you’re looking for, then Desert Point on the west side of the island will be the spot. In contrast to Selong, this is where big waves take place, an absolutely spectacular demonstration of how powerful mother nature is. 

If one wished to define Lombok in one word it would definitely be surfing but there’s something else to be mentioned: the kindness of their people. Here, more than anywhere else we’ve been too, people were genuinely good, willing to share whatever they had, and every stranger was worth their smile and their good will, regardless of how little they had, there was always enough to share. And that’s something to treasure.

Indonesia is very different from the paradise kind of place, the idilic beach of sun and sea, its a lot more than that. Yes, there’s that but it’s the culture, the people, the food and the rural landscape that can take your breath away and never stop surprising you!

Tip: If you’re looking to stay within budget look online for traveloka website and you’ll find the best price for lodging. Its also worth checking the price directly on the homestay where you wish to stay. As for the best and most authentic place to eat in Ubud: Kedai D’Sawah not only it has the best and most incredible views, it also has amazingly tasty food at an impressive prince.

A brief summary of our costs for 31 nights:

  • Lodging: 502 USD
  • Food: 462 USD
  • Transport: 50 USD
  • Entertainment: 185 USD
  • Misc: 171 USD (surfboards, motorbike, extras)

Total: 1,370 USD

See you in Singapore!


 

 

Bem-vindos a Bali & Lombok!

bali

Bali, conhecida como a ilha dos Deuses, é um destino extremamente popular que atrai todos os anos milhares de turistas. Independentemente daquilo que cada um busca, certamente irá encontrar aqui: águas cristalinas e praias com óptimas ondas para surfar, campos de arroz de um verde vibrante e uma densa selva para explorar, majestosos templos e locais espirituais para cuidar do corpo e da mente; e muito mais – Bali tem algo para cada um.

Logo à chegada a Bali, há um contacto quase imediato com o Hinduísmo. A Indonésia, sendo um país predominantemente Muçulmano, tem Bali como a excepção onde cerca de 84% da população é Hindu.

A religião está, por sua vez, entranhada na cultura Balinesa: a famílias vivem tradicionalmente em lindíssimas casas, onde constroem os seus próprios templos no jardim. Uma parte importante dos seus dias é dedicado à preparação de oferendas aos Deuses – pequenas cestas feitas de folha de banana, com flores coloridas incenso, arroz ,fruta e muito mais. A cada manhã estas oferendas são deliberadamente colocadas à porta dos quartos, junto a estátuas ou até mesmo nas ruas – é impossível não apreciar a dedicação e tempo que cada Balinês coloca na preparação dos seus rituais religiosos, cumpridos a rigor. Grandes cerimónias Hindu têm lugar frequentemente, e ser convidado por um local para participar de um destes eventos é uma experiência única: o cheiro adocicado dos incensos, os coloridos cestos empilhados sobre a mesa das oferendas, os locais vestidos a preceito nas suas vestes tipicamente Balineses e os rituais de adoração, todo este cenário transporta-nos para uma outra dimensão e fazem-nos acreditar e que existe Algo acima de nós.

flowers

O número de templos presentes na ilha é um indicador da importância que a religião tem, de facto, na vida e cultura de Bali e das suas gentes: são mais de 6000 templos, e por isso este sítio se tornar um destino apelativo para todos os que desejam explorar o lado espiritual duma cultura ancestral.

Existem diferentes tipos de templos, sendo que cada um tem uma função específica consoante aquilo que se pretender adorar. Alguns surpreendem pela sua história, outros pela sua imagem como, por exemplo, o Templo de Tanah Lot, um templo localizado no sul da ilha, assemelhando-se a um rochedo que mais parece flutuar sobre o oceano Índico; outros surpreendem pela sua localização peculiar, como o de Lempuyang, localizado no topo da montanha e apenas acessível através duma subida íngreme e perigosa com mais de 1,700 degraus, mas que, no entanto, fica incluída na visita a este templo outros pelo caminho e também a companhia de bandos de macacos cinzentos de cauda comprida, que escolhem fazer desta inóspita montanha a sua casa por a temperatura aqui ser substancialmente mais fresca.

Em Bali, os templos estão perfeitamente integradas com a natureza, o que demonstra uma interessante ligação entre a religião e a natureza, característica intrínseca do próprio Hinduísmo.

De Norte a Sul, há muito por onde explorar e as praias são uma das principais atrações. Existe uma para cada gosto e feitio: na costa sul, Kuta, por exemplo, encontram-se praias de palmeiras na areia; enquanto que em Uluwatu os desfiladeiros escondem baías secretas; já a norte e oeste, a beira-mar quer-se preta com areias vulcânicas e finas. A sobre-desenvolvida Kuta contrasta com Saba, uma área ainda por explorar e pouco turística, com uma particularidade curiosa, uma praia onde os locais cobrem o seu corpo até ao pescoço com areia preta – estes acreditam que as areias vulcânicas tenham propriedades curativas.

Por toda a Bali, as ondas são um convite para os amantes do surf, e os pôr-do-sol cor-de-rosa são a desculpa perfeita para prolongar o dia na praia.

Captura de ecrã 2017-12-03, às 21.45.03

No centro da ilha, os campos de arroz preciosamente arranjados são abundantes e as selvas escondem bonitas quedas-de-água que merecem ser vistas; Ubud é o exemplo perfeito disto mesmo – o local mais verde de Bali, em todos os níveis e sentidos. Aqui a natureza envolve-nos na sua beleza imersiva e são muitos os rituais para cuidar do corpo e da mente nesta charmosa vila que, por isso mesmo, atrai tantos visitantes ao longo do ano todo, em busca dum estilo de vida mais saudável e consciente.

De comida raw, vegetariana e orgânica, a aulas de yoga, meditação e até cerimónias de cacau, Ubud é casa para toda uma comunidade de gente muito espiritual que pode mudar qualquer um drasticamente, por dentro e por fora.

old-balinese-woman

A norte, o Monte Batur é o pretexto perfeito para mais uma aventura. Ver o vulcão é, por si só, uma experiência, mas caminhar durante horas pela madrugada a dentro para ver o nascer do sol no seu cume é algo transcendente. Monte Batur é rodeado por um lago – um sítio calmo e ideal para uma pacífica viagem de mota e apreciar o vulcão de uma outra perspectiva, bem como toda a natureza envolvente e pequenas vilas que aqui existem. As estradas podem ser turbulentas mas em nada se assemelham ao caos citadino de Bali.

Vagueando pelas ruas, entre lojas, mercados e templos, os populares Warungs e Padangs sobressaem – restaurantes com deliciosa comida típica, preparam e cozinham estas iguarias locais numa variedade de formas. Nos Warungs os menus consistem nos pratos tradicionais: o famoso Nasi Goreng (arroz frito com carne), Mie Goreng (semelhante mas com noodles em vez de arroz), Ayam Bakar (frango frito) e muitos mais. Já nos Padang cada um paga por aquilo que come – a família que gere o restaurante normalmente cozinha os pratos pela manhã e ali ficam na janela até serem comidos.

nasi goreng

A popularidade de Bali cresce mais a cada dia. A ilha dos Deuses tem muito para oferecer e é estimado que mais de um milhão de estrangeiros tenha já escolhido Bali como a sua segunda casa. Mas com a popularidade vem o desenvolvimento em massa e para as massas, grandes resorts, restaurantes chiques e autocarros carregados de turistas que adicionam ainda mais peso ao já complicado trânsito. A vida a baixo custo atrai trabalhadores independentes e gente de mochila às costas vindos de toda a parte do mundo mas a pouco e pouco os preços vão subindo e a cada ano que passa Bali torna-se cada vez mais dispendiosa e ocidentalizada.

Mas Bali é um sítio que merece ser experienciado – a beleza do local não é está apenas no lugar, mas também enraizado nas suas gentes. 

Bali é uma das poucas culturas com origem numa das grandes culturas ancestrais que ainda hoje está viva – Arthur Ericsson

Artigo original sobre Bali, texto e ilustrações em 195travellingtales, escrito e ilustrado por Nuno Ramalhão, para mais histórias, clicar aqui!


 

Lombok é um animal de uma outra espécie totalmente diferente. Lombok não foi pensado para turistas, falta-lhe o conforto de todos os extras que se espera numas férias. Localizado a este de Bali, maioritariamente Muçulmano, tem-se tornado cada vez mais popular entre aqueles que procuram uma experiência mais genuína ao visitar a Indonésia. Muitíssimo menos desenvolvido, Lombok esconde os seus segredos para os seus e só visitando se percebe o quanto há para explorar.

Mal se chega pode-se perceber o quão rural este local é, em particular quando comparado a Bali. Sim, ainda se vêm resorts mas são uma ave rara comparada com o tipo mais vulgar de estadia, as chamadas homestay. Uma homestay, como o nome indica, será algo semelhante a uma residencial, ainda que provavelmente num registo bastante mais precário do que aquilo que estamos habituados a ver. Presentes porta-sim, porta-sim em Kuta, Lombok, esta pequena vila, em nada semelhante a Kuta-Bali é bastante mais parada e muito menos populada do que algumas pessoas esperariam, mas os que lá vão podem usufruir duma estadia calma e praias para surfar (tantas quantas se queiram) apropriadas a todos os níveis, preços incrivelmente baixos e alguma música ao vivo e jam sessions depois do pôr-do-sol.

Quase sem excepção, as idas à praia implicam um passeio de mota pelos campos verdejantes, onde o cariz agrícola está ainda bastante presente e não é invulgar ver uma manada a atravessar a estrada, ao seu próprio ritmo e sem pressas, animais imponentes, sendo que qualquer um naturalmente pára e obedece ao código da estrada.

Entre vales e montanhas revela-se uma população muito mais reservada e conservadora, onde se vive uma vida simples e onde o tempo parece ter parado. A maioria dos agricultores continua a cultivar milho e por isso mesmo a paisagem muda substancialmente consoante a época do cultivo. Independentemente disso, o cenário é absolutamente lindo e tem-se uma sensação de tranquilidade indescritível ao percorrer estas colinas. É um misto de aventura e desprendimento de tudo o que seja material, onde tudo o que importa é chegar à próxima praia, ver mais um bocado de mar, correr cada vale, entre altos e baixos de estrada esburacada e lamacenta, vê-se sempre o azul ao fundo, à espera dos que chegam de prancha amarrada à mota, à procura de mais uma onda.

A praia de Selong é provavelmente a mais conhecida, fundo de areia, perfeita para quem está a começar/ quer aprender a surfar, com algumas comodidades, cadeiras de praia e guarda-sóis, alguns bares de praia, ainda que não sejam mais do que uns barracos de madeira, mas não muito mais do que isto. Ao afastar-mo-nos do acesso à praia, percebem-se os barcos de pescadores e fica claro que esta areia lhes pertence. As crianças em roupas esfarrapadas brincam aqui como se fosse o seu parque infantil, estão no seu quintal, digamos, aquele areal é tudo o que conhecem e as pequenas embarcações ali atracadas são os seus castelos. Tudo nos parece simples. A cada duas por três os búfalos atravessam a praia, e esta é, provavelmente a visão mais espectacular de sempre.

Se por um lado Lombok é capaz de transmitir esta paz imensa, a adrenalina não deixa de estar sempre do outro lado de cada falésia. Desert Point, na costa oeste, é o pico e as ondas grandes tem aqui lugar, numa incrível demonstração do poder da Mãe Natureza.

Se se tratasse de definir Lombok numa só palavra, poder-se-ia falar do surf, mas seria igualmente injusto não mencionar um outro aspecto: a gentileza da sua gente. Aqui, mais que em qualquer outro lugar, sente-se a genuinidade das pessoas, a disponibilidade de estender a mão e partilhar seja o que for que tenham, o saber inato que mesmo um estranho vale o seu sorriso e a sua boa-vontade, e o pouco que possuem é para ser dividido de bom grado. E isso é algo que é impossível não admirar.

A Indonésia, ainda que seja algo muito diferente da imagem paradisíaca que se cria no nosso imaginário, é um destino que traz muito mais que somente praias e sol, a sua cultura, a sua gente, a comida e a paisagem rural são de cortar a respiração e nunca deixam de surpreender!

Dica: Alguns países têm sites mais vulgares onde encontrar alojamento, neste caso particular, o traveloka é o website. Vale também, depois de ter verificado este site, passar directamente na homestay em questão e negociar o preço. Já no que diz respeito ao melhor e mais original sítio para comer em Ubud, este é imperdível: Kedai D’Sawah  não só tem as melhores e mais incríveis vistas como a comida é absolutamente maravilhosa e a um preço imbatível.

Aqui fica um sumário dos nossos gastos em 31 noites:

  • Alojamento: 502 USD
  • Alimentação: 462 USD
  • Transporte: 50 USD
  • Entretenimento: 185 USD
  • Miscelâneo: 171 USD (inc. aluguer de pranchas de surf, mota, extras)

Total: 1,370 USD

Vemo-nos em Singapura

Welcome to Bohol!

 

We all have the image of the perfect beach, paradise by the sea, the kind that comes up on the magazines and let us dreaming about holidays. Panglao is like that.

 

Everyone has an idyllic destiny. The paradise sold in travel agencies, celebrity magazines and movies. Bohol, part of the Visayas region takes you by surprise, its disconcerting, in particular de Panglao island. The Philippines are considerably hard to reach, but once you get there, all the compliments become obvious.
Here life takes it’s time and this time goes by slowly. In an unusually rural set, a blend of beach and countryside, an unknown location that lives with little. Very little.
Besides the spectacular beaches and the precious fish and seafood that comes as one of the only natural resources, there isn’t much more that can be sold at high prices.
Cebu’s airport is international, easy to get to and, from there, a two hour ferry trip to Bohol, to the city of Tagbilaran. Panglao is roughly 20km away.  The further we are from the urban area, the more we realise everything here is wild. Between palm trees and greenery so dense one almost forgets where the green ends, slowly we start to recognise where the sea is. Panglao is not vulgar. It’s just enough developed for it to be comfortable and not enough to be a popular destination. We stay in Alona Beach, by the end of the peninsula, a small village that it’s only now starting to boost the tourism, though it still is mainly a fishing area.
Alona was home for nearly 3 weeks, lodging prices are nice, quality is high, the pace of life is slow, easy to stay and even easier to like. Unbelievably beautiful. A paradise of crystal clear waters. The main beach, Alona, stretches along the coast line with a few restaurants as authentic as possible, prices still within the affordable range. A few bars with live music, on the beach, mostly relaxed places.
On the other side, there’s Doljo Beach, those who go, feel as if no one has ever been. Coconut trees start just when the fishermen houses end by the beach. The sand is short except on low tide. One of the best things to do here is to find one of the fishermen, agree on the price, and let him take you to the reef and to where the sardine’s shoal are. For about 750 pesos = 15usd you’ll have the experience of a lifetime.

From Alona till the opposite side of the island is roughly 15 to 20min on a motorbike and that shouldn’t cost more than 500pesos/ day, it’s worth looking for a place to stay that includes the bike as the price goes down significantly and it gives you peace of mind too.
Once having the bike, the options are many and it really is imperative to explore. From desert beaches, totally secluded from everyone, to brilliant places for snorkelling, chances are you’ll be dazzled with this place, there’s no road that doesn’t take you through deep jungle, on an endless state of green, no path that doesn’t lead to some lost village, and between the river, the sea, the rice fields and the endless waterfalls, everywhere we went, we were greeted by good people, with a smile on their faces, wanting to talk and to get to know us.

For those who love the sea and the subaquatic word, Panglao offers all the varieties on this department, scuba and snorkel, and for this last one, it can sometimes be done on your own, without having to pay a fee for it.

There is, however, a mandatory trip, not necessarily the island hoping tour, but the one to Balicasag island. Balicasag belongs to the spectrum of special places, it’s so magical and rare we rather not write about. You can not, words wouldn’t make it justice to its beauty, is one of those places you feel only exists on your imaginary world and your eyes are just not capable of absorbing all.

The few touristic attractions that show up on the map are the Tarsier Sanctuary, the smallest mammal in the world and the Chocolate Hills, that as the name says, are an unusual hill formation in a nice chocolate color. These combined make a pleasant day trip but only worth if you go on your own. This is one of those cases where the journey is almost better than the destination.

Contrary to a short term stay, is only when you truly let yourself get lost in a place that you get to understand its essence. A trip to Panglao local market reveals much about the small town. The Philippines, in particular any island or anyone that doesn’t live directly out of tourism, most times live in a precarious state, and most times this is unknown to the outsiders.

A visit to the local market unveils precisely that, people who buy in individual packets, as if this would be the only time they would need such product. Individual packs of oil, mayo, tomato sauce. Normal day to day grocery items sold in single use size because tomorrow is a problem of the future and the important is today. Rice, sugar, soap, sold by the pound/ kilo as one would see on past times. These are simple lives of humble people that are yet to notice the potential value of their own land.

And this is why Panglao is still of the track, still to be discovered, which makes it even more wonderful.

Tip: Check for Nora’s Place on Airbnb, the combo deal of accommodation + motorbike is really good and it allows you to explore the island, plus the place itself is brilliant!

A brief summary of our costs for 18 nights:

  • Lodging: 440 USD (includes motobike rental)
  • Food: 305 USD
  • Transport: 12 USD
  • Entertainment: 28 USD
  • Misc: 58 USD

Total: 843 USD

See you in Indonesia!


Todos nós temos uma imagem da praia perfeita, o paraíso à beira mar que aparece na fotografia da revista e nos deixa a sonhar com as férias. Panglao é precisamente isso.

Toda a gente tem um destino idílico. O paraíso que nos é vendido nas agências de viagem, nas revistas dos famosos e nos filmes. Bohol, parte da região das Visayas, desconcerta por completo, em particular a ilha de Panglao. As Filipinas são um destino consideravelmente longe de chegar, no entanto, quando se chega, percebe-se o porquê de tantos elogios.

Aqui a vida demora-se e o tempo passa devagar. Num estilo estranhamente rural, uma mescla de praia e campo, este destino ainda pouco conhecido vive com pouco. Muito pouco. Além das espectaculares praias e do precioso peixe e marisco que o mar dá (e que são altamente rentabilizados pelo ainda raro turismo), pouco mais é fonte de rendimento. Ainda assim, não há aqui lugar nenhum que não nos deixasse de queixo caído, numa simplicidade que encanta e delicia.

O aeroporto de Cebu é internacional, fácil de chegar e dali, uma viagem de ferry de cerca de 2 horas até Bohol, a cidade de  Tagbilaran. Panglao fica a apenas 20km. À medida que nos afastamos da zona mais urbana, percebemos que aqui tudo é selvagem. Entre palmeiras e uma vegetação tão densa que nos esquecemos onde acaba o verde, aos poucos começamos a perceber o mar ao fundo. Panglao não é vulgar. Está suficiente desenvolvido para ser confortável e não demasiado para se tornar um destino de massas. Ficamos em Alona Beach, no limite da península, uma vila que começa a desenvolver o turismo aos poucos mas continua a ser maioritariamente piscatório.

Alona foi casa durante quase 3 semanas, os preços da estadia são bastante simpáticos, a qualidade é boa, o ritmo de vida é lento, fácil ficar e ainda mais fácil gostar. É indescritivelmente lindo. Um paraíso de águas cristalinas, inigualável. A praia principal, Alona Beach, tem um areal relativamente extenso junto ao mar, ainda que não muito largo. Os restaurantes são típicos e tão autênticos quanto possível com preços ainda aceitáveis. Alguns bares com música ao vivo, em cima da praia num estilo muito descontraído.

Do outro lado, em Doljo Beach, quem vai sente que nunca ninguém foi! Os coqueiros começam no fim dos casebres de pescadores e acabam na praia. O areal é curto, com excepção de quando a maré está vaza. Uma das melhores coisas a fazer aqui é encontrar um desses pescadores, negociar o preço e pedir-lhe que vos leve até ao coral e aos cardumes de sardinhas. Por pouco mais de 750 pesos = 15usd, tem a experiência duma vida.

De Alona até à ponta oposta da ilha são cerca de 15 a 20min de mota, que não deve custar mais de 500pesos/dia, e vale a pena procurar alojamento que já inclua transporte, para nós foi absolutamente imprescindível.

Uma vez tendo alugado mota, as opções são muitas e vale mesmo a pena explorar. Desde praias desertas, totalmente inóspitas a locais incríveis para fazer snorkelling, as hipóteses de descobrir e ficar encantado são gigantes, não há nenhuma estrada que não entre pela selva num verde sem fim, nenhum caminho que não vá dar a uma aldeia qualquer perdida, entre rio, mar, quedas de água e campos de arroz, e em qualquer sítio que fôssemos, fomos sempre recebidos por gente boa, afável e de sorriso na cara, com vontade de falar e conhecer.

Para os que se deliciam com o mar e o mundo subaquático Panglao oferece todas as variedades, snorkelling e mergulho, sendo que o primeiro é possível fazer por conta própria nalguns locais e vale a pena levar/comprar material.

Há, contudo, uma visita obrigatória, a ilha de Balicasag. Balicasag enquadra-se num espectro muito especial, por ser tão mágico é um daqueles sítios que preferimos não descrever. Não vale a pena, quaisquer palavras seriam poucas e não fariam jus à sua beleza, é daqueles locais onde somos transportados no nosso imaginário e os nossos olhos parecem não ser capazes de absorver tudo.

As poucas atrações que realmente surgem no mapa são o santuário dos Tarsier, o mamífero mais pequeno do mundo e os Chocolate Hills, uns montes bastante sinuosos em tom de chocolate. Ambos valem a pena a visita mas com uma ressalva, só vale ir por conta própria. Este é um daqueles casos em que a viagem é a parte mais bonita e chegar não é assim tão importante.

Contrariamente à experiência duma estadia curta, quando nos demoramos nos sítios que visitamos percebemos melhor a sua essência e Panglao não foi diferente. Uma ida ao mercado público revela precisamente isso. As Filipinas, em particular as ilhas e aqueles que não vivem directamente do turismo vivem muitas vezes num estado de precariedade que não é conhecido. Ao visitar o mercado local vimos precisamente isso, gente que compra em doses individuais, muitas vezes em saquetas, como se tratasse de uso único. Saquetas de óleo, de maionese, de polpa de tomate. Mercearia corrente e produtos de limpeza vendidos em doses individuais porque o dia de amanhã é uma preocupação futura e o importante é saber o hoje. Arroz, açúcar e sabão vendido ao quilo, como se via antigamente. São vidas simples com gente humilde que ainda não viu o seu pedaço de terra ganhar o valor que tem.

E por isso não admira que Panglao não seja ainda parte da rota do turista. Está semi por descobrir o que faz com que seja ainda mais maravilhosos!

 

Dica: Vale a pena procurar por Nora’s Place no Airbnb, a combinação de alojamento + mota é realmente boa e permite que se explore a ilha de ponta a lés. Além disso, o sítio em si é óptimo!

Aqui fica um sumário dos nossos gastos em 18 noites:

  • Alojamento: 440 USD (inclui aluguer de mota)
  • Alimentação: 305 USD
  • Transporte: 12 USD
  • Entretenimento: 28 USD
  • Miscelaneo: 58 USD

Total: 843 USD

Vemo-nos na Indonésia!

Welcome to Boracay


Boracay, one of the best known islands in the Philippines, it could easily be compared to Ibiza, once a secret paradise, those days are far behind and the place gets overwhelming packed in high season.

May is the peak season, contrary to Europe, here children are on school break and for that reason most of it is full and overpriced. The Philippines attract an Asian market and mostly have a deeper pocket than we do.
From landing in Caticlan airport to reaching Boracay one could easily be overwhelmed by the surroundings. There’s also an endless number of schemes/ scams to extort money from anyone looking like they don’t belong, a million eyes are required to not fall for these, but even the official prices can look suspicious. Do not be surprised if you find yourself paying a terminal fee, this extra fee comes on top of the your boat ticket and environmental fee… This means you will only board after ending up payment for 3 different prices = 3 different tickets…!
A short 15min ride and we reached Boracay. The 30min ride on the tricycle made us feel like we came to the wrong place. A very rural, dirty and beyond chaotic place, narrow mudy roads, shed like houses, litter on the ground, chickens everyone, open sewages and a general sense of disorder. After a while on this picturesque landscape, we see the big M.
Unbelievably, McDonalds is here, and all out of the sudden we seen to have reach some sort of civilization. All seems to be tourist-oriented, very little of what you see was kept genuine.
The island has a dog bone shape and the main areas are divided into stations, tricycle drivers will charge according to that. Station 3, closer to the pier where the boat leaves you, is budget friendly backpackers, though not as cheap as one would expect, specially considering the quality. Station 2 is the most central one, the mid section of white beach, a long stretch of golden sand, coconut trees and turquoise sea. Depict the fact that it was high season, the beach was not exactly packed at day time. Korean, Japanese and Chinese tourists avoid the strong sun and most times only show up at sunset.
From station 2 to station 1 at the far end of the island, prices increase even more but so does the quality. As you get closer to the iconic Puka beach, resorts are more common.
We stayed in station 2. The island has two main beaches, the White Beach, about 4km long of beautiful sand with hotels lined up, and precisely on the opposite side there’s Bulabog beach, mostly a kite/windsurf beach, nicely set with coconuts, fruit trees, and greenery along the sand line. From one short end to the other its only around 15min walk but the scene changes dramatically.
On the White Beach side all seems to be tourist-oriented. Many many bars, cocktails on the beach kind of place, a lot of over priced restaurants, a few supermarkets (think of this more like a convenience store) and at least 3 McDonald’s facing the sand. It would have been hard for it to be more commercial and less genuine.
Last year, 2016, Boracay has reached a record-high 1.7 million tourists, half of it foreign arrivals and almost 50% being Korean and Chinese. Walking around in Boracay, statistically speaking, you’re as likely to see a Filipino as you are of seeing a Korean/Chinese person!
On the other side though things are different. This is where you see where locals live. Shed like homes, made of bamboo, pieces of timber and a light tin roof are the usual type of accommodation. God only knows how much of it survives to the rainy season if any at all. The once only fisherman village has become more than it probably should. Homestays, hotels, hostels, resorts and all in between are taking more and more space from the original settlements, isolating the locals to areas that are not seen to the naked eye.
If during the day the beach is nearly empty, at sunset everyone comes out.  From the so called D-mall, which is in fact a commercial area filled with small shops all the way to the beach front, all gets really crowed. Korean restaurants, serving sea food and other traditional delicacies are popular around here. The typical Filipino is somewhat an American style kind of place. Overall, prices are much above the expected.
One of the best terms of comparison must be this: the most typical pastries one can get at a bakery shop are probably the ensaymadas. Ensaymadas are somewhat a kind of sweet bread, light dough, fluffy and covered with sugar. At any bakery you’ll find these at 5pesos, that is roughly 10cents of USD. On the other hand, finding a meal for less than 400/500pesos each, that’s 8 to 10USD, nearly 100 times more than the pastry is close to impossible. A massive disparaty.
Boracay was amazing, but unfortunately things have changed and not for the better. If sometimes a place can be a rough diamond, in this case it feels as if the diamond was there at first and now it’s now just a shadow of what it used to be.
A good piece of advice: in order to experience the good things this still has to offer, go in low season, for sure you’ll get a more authentic perspective!
Tip: Look for local bakeries, in particular this one next to D´mall! Also, don’t miss the chance to visit this amazing place: Spider House even if you don’t sleep there, it’s definitely worth checking it out! 

A brief summary of our costs for 4 nights:

  • Lodging: 80 USD
  • Food: 100 USD
  • Transport: 24 USD

Total: 204 USD

See you in Bohol!

 


Boracay, uma das ilhas mais conhecidas das Filipinas, poderia facilmente ser comparada a Ibiza, outrora um paraíso escondido, hoje em dia um destino que fica totalmente inundado de turistas na época alta.

Maio é época alta, muito alta diga-se, contrariamente à maior parte da Europa, aqui as crianças estão em férias escolares e por isso a maior parte dos sítios está cheio e inflacionado. Além disso, as Filipinas atraem um mercado de turismo asiático que, por norma, tem uma carteira mais recheada que a nossa.

Desde do aeroporto de Caticlan e até chegar a Boracay são vários os esquemas de extorsão a qualquer um que não pareça pertencer e, por isso, é preciso mil olhos até nos ditos preços ‘oficiais’. Não se surpreendam se acabarem por ter de pagar uma taxa de terminal em cima do preço de bilhete, que por sua vez vem acompanhado com uma taxa ambiental. Ou seja, antes de embarcar no precário barco que faz a travessia Caticlan-Boracay, pagam-se 3 taxas, 3 bilhetes diferentes…!

Uns curtos 15 minutos e chegamos. Outros 30 minutos num triciclo mal amanhado e pensamos que devemos estar no sítio errado. Uma zona extremamente rural, caminhos mal pavimentados, esgoto a céu aberto a correr em paralelo com a rua lamacenta, casas tipo cabanas, lixo, muito lixo, galinhas por aqui e por ali. Uma desordem total.
Pouco depois desta visão pitoresca, vemos o grande M. Por incrível que pareça, o McDonalds chegou aqui e é a primeira coisa que vemos antes de sequer reconhecermos o que apareceria metros à frente, aquilo que seria a zona civilizada. Tudo altamente orientado para o turista e muito pouco genuíno.
A ilha tem uma forma rectangular e as suas áreas principais dividem-se em 3 estações, quem conduz os triciclos cobra de acordo com a estação para onde se vai de forma, mais ou menos, justa. A estação 3, a mais próxima do porto, será a mais económica em termos de alojamento, apesar de deixar muito a desejar no que respeita à qualidade. A parte central da ilha corresponde à estação 2, que é também a zona principal da famosa White Beach, a praia de areias brancas e finas, côcos e mar turquesa. Apesar de ser época alta, a praia nunca esteve cheia durante o dia. O tal turismo Asiático evita o sol quente das horas perigosas e só aparece ao por do sol.
Da estação 2 para a 1, e à medida que nos aproximamos da ponta da ilha, os preços aumentam mas também aumenta a qualidade dos hotéis e resorts e a chegar à icónica Puka Beach este tipo de alojamento é o mais vulgar.
A ilha tem duas prais grandes, a White Beach, cerca de 4km de um fabuloso areal que se extende ao longo dos inúmeros hóteis e, precisamente do lado oposto, Bulabog Beach, acima de tudo uma praia para kite e windsurf, mais selvagem, onde mais côcos e vegetação percorrem a praia. De um estreito ao outro da ilha demora-se cerca de 15min a pé mas o cenário muda dramaticamente.
Do lado da White Beach tudo se vende. Muitos muitos bares, género cocktails na praia, um sem número de restaurantes inflacionados, alguns supermercados (entenda-se algo do género de uma loja de conveniencia) e pelo menos 3 McDonalds de frente para o mar. Seria díficil ter tornado este outrora paraíso em algo mais comercial e menos genuíno.
Só durante o ano passado, 2016, Boracay atingiu um recorde de 1,7 milhoes de turistas, metade estrangeiros e cerca de 50% sendo Sul Coreanos e Chineses. Quem anda a pé em Boracay, e estatiscamente falando, é tão provável encontrar um Filipino como um Coreano/Chinês!
Do outro lado da ilha as coisas são diferentes. Aqui é onde os locais vivem. Barracos na praia, numa combinação de bambu, madeira e telhados de lata, este é o tipo de casa que se vê. Sabe Deus quanto daquilo sobrevive às chuvas, se é que alguma coisa sobrevive de todo. A vila outrora piscatória tornou-se em algo maior do que provavelmente deveria. Homestays (algo semelhante a uma residencial), hotéis, hostéis, resorts e outros afim tomam mais e mais espaço daquilo que Boracay foi, e isolam a populaçao local que, por sua vez, já não é, nos dias de hoje, sequer vista a olho nu.
Se durante o dia a praia está praticamente vazia, é quando o sol se põe que um mar de gente invade as ruas – algumas arriscam até pôr o pé na areia para, vestidos de cima abaixo, fazer a pose e tirar a foto da praxe. Do espaço comercial central, o chamado D-mall, que nada mais é que um porta sim-porta não de lojinhas, até à praia, tudo fica entupido. Os restaurantes servem o marisco e outras coisas típicas para asiaticos; já os Filipino são mais estilo Americano: fritos e fast food. No geral, os preços são altos, em particular para o que vendem.
Um dos melhores termos de comparação são as padarias. O bolo mais tradicional que se pode encontrar numa padaria das Filipinas é, talvez, as Ensaymadas. Uma espécie de pão doce, bastante fofo e com açúcar no topo. O preço é consistente, provavelmente por ser dirigido aos locais, e custa menos de 10 cêntimos. No entanto, encontrar uma refeição que custe menos de 400/500pesos por pessoa, cerca de 8 a 10USD, portanto, 100 vezes mais caro que um bolo, é praticamente impossível.
A melhor dica que podemos deixar é ir em época baixa para que a experiência seja um pouco mais genuína.
Boracay é incrível mas infelizmente muito mudou com o passar dos anos e não para melhor. Se por vezes um destino pode ser um diamante em bruto, neste caso sentimos que o diamante já lá estava numa primeira instância e é agora uma sombra daquilo que ja foi.
Dica: As padarias locais vendem uma data de coisas boas a um preço imbatível, em particular a da esquina do D´mall! Vale também a pena checar este sítio: Spider House
Mesmo que não fiquem lá a dormir, vale uma visita!
Um pequeno sumário dos nossos gastos para 4 noites:
  • Alojamento: 80 USD
  • Alimentação: 100 USD
  • Transportes: 24 USD

Total: 204 USD

Vemo-nos em Bohol!

Welcome to Manila!

 

A city as big and alive as we’ve never seen before, this is truly a metropolis! There’s little words to describe the vibe you feel here, clearly developed, clearly poor, the disparities are present in every corner you look at and it doesn’t take much time for the city to surprise you, both in good and bad ways.

We arrived in May, a very hot and tremendously humid month, which added to an exhaustive flight, can really put you off and doesn’t quite helps on first impressions! Nevertheless, it didn’t take long for this to be superseded. As you exit the airport you understand two things: one is that Manila‘s airport surrounding area is prepared to be used for any tourists landing here with little time to visit. Casinos, mega shopping centres, hotels, and anything entertainment-related is a stone thrown away from the arrivals hall. The second thing you immediately see is poverty. As I’ve never seen before.
And this was shocking. I’ll come back to this later.
We stayed in a studio apartment (Airbnb) in Gil Puyat. Light Rail Train serves this area and we’ve used it a lot. Public transportation works well, but Manila is overcrowded and so are the trains. Again, with heat and humidity the trains feel even smaller, busier and air becomes heavier. Another way of getting around are the jeepneys. In older days, these were left by the US military and then customised, ornamented and used as public transport. In our days these are no longer the same original jeeps but instead a Philippine made version. It continues to serve the same purposes: it covers relatively short distances at a very affordable price, 6 pesos, 12 cents (USD). Make no mistake, the hectic drive along a city that has so many cars, motorbikes, tricycles, people, trucks, buses and stray animals is an adventure on its own. Open at the back and sideways, you simply hop on as the driver stops/slows down. We did a few trips on these, not that these are tourist at all, but quite frankly, the city is not a very touristic one, not for ocidental at least. Korean, Japanese, Chinese and Taiwan seem to be the main visitors along with the nationals of course.
One of the scenes that impressed us the most, as mentioned above, was the poverty. This episode in particular where we were on the jeepney and all of the sudden this child hops on, bare feet, messy hair, ripped clothes, dirt and dust all over. He couldn’t be more than seven or eight years old. He set, looked at us, extended his hand holding a paper cup and started singing. Some sort of a lullaby. In Tagalog most likely. We couldn’t tell. He took almost 2 minutes or so. Most people didn’t make much case of it, they reacted as those who become apathetic after seeing too many and too much. The boy was innocuous. He left after the song, back to the street. It is shocking. To see so much misery, so many people sleeping on the streets, entire families lost on a life that will most likely be forgotten by others, wasted and perpetuated onto the next generations. And that really is what becomes so dangerous. The fact that children still on diapers are already on the streets of the capital.
The real estate and property sector is booming here, and with it slums and shanti towns are a hassle. There’s no space for both and to the eyes of those who rule, the one that generates income must prevail – this is valid for most, or at least many cities across Europe, the  problem starts when there’s no social responsibility over the people that become homeless due to the construction of a new residential condo. Even when the option of relocation is given to the occupiers, it’s most frequently too far. Being a fragile community, with limited resources and struggles, finding a job on a different environment most times doesn’t quite work well. This means people end up returning to Metro Manila, and going from shanti occupiers or squatters to becoming homeless.
We are talking about serious numbers, with over a quarter of Metro Manila population living in informal settlements, that’s about 3 million people on the streets.
Manila didn’t feel safe. How could it when there’s so much poverty anyway. But it wasn’t just that. It’s an over populated metropolis, Metro Manila being 12.8 millions.
Walking around areas like Rizal Park, the city’s urban park, one of the largest in Asia you don’t feel unsafe, it’s when you mingle among the locals that realize the fear and the treat that prevails. Security men, armed to the teeth at shop fronts, banks, pharmacies, metro stations, restaurants, apartment block lobbies and pretty much any other business or privately owned property.
But Manila is not just this. It’s also for their people. Being a person that truly loves to visit and explore markets, I always feel these are somehow a reflection of the way locals live, what they sell is what they take home, many times it’s where you see in an authentic way what people eat, what are the things they buy, what’s common. And to establish one’s normality gives you a deeper insight on the way they live. Manila has a lot of shopping centres but it also has an extraordinary number of street markets, happening anywhere and everywhere! Manila‘s Chinatown is considered to be the oldest one, and it’s also known as Binondo. We went after lunch, walked for hours but the market place seemed to be endless. They sell everything, from fruit and vegetables, to clothes, shoes, electronics, underwear, gadgets of all sorts and even mobiles (which looked as if they belonged to someone’s). Such an impressive and overwhelming place, I doubt any photograph does it justice.
The other place to visit would be the Intramuros. Now, this really feels like we were dislocated from Manila and placed somewhere in Europe! Intramuros, or walled city, is part of the Spanish heritage and a memory of their presence for long years. Even though its buildings look relatively well preserved there’s little sense of respect for the site that is, since 2010, “on the verge” of irreparable loss and destruction as referred by the Global Heritage Fund. Take your time and really walk around this place, there’s many architectural patrimony to see that is definitely worth the visit. Also not to miss is the religious heritage here. In particular San Augustine Church, a spectacular piece of Baroque architecture, very well maintained, part of UNESCO World Heritage Site and the Catedral of Manila, a building that has been rebuilt many times through the years due to the number of natural disasters as well as bombing during WW2. The Manila Catedral is quite modernized as a consequence of the rebuilding. We finished the trip to Intramuros at the Fort, just by the end.
But if you really want to escape from Manila while still being in Manila, then Greenbelt is the place. A totally new area of the city, high-end, well design and a true gem in the middle of the capital, this is quite a surprise to the eye.
On the other side of Manila is City of Dreams, the iconic poker place, a gaming resort & casino area where the city’s contrasts are bigger than anywhere else. If you take the LRT to the closest station, it will bring you to Baclaran, a short 15min walk from the place where high stake poker players come to win millions, but walking here no one feels like a million dollars. The poverty (and those affected) are neighbours to one of the places in Asia that sees more cash passing from hands to hands. The irony here is that one can totally forget about the improvised tents that serve as shelter, card boards used as beds for those who can’t even afford the makeshift homes hastily built from scrap or the tunnel like homes of the shanty houses in P. Casal District by the creek.
Manila is tough. It certainly opens your eyes to a reality that is unknown for some many of us. But one thing comes across my mind when I think of Filipino people: the hospitality and the always so nice smile. Thank you for not losing your grace!
See you in Boracay & Bohol!

Welcome to Manila!

Uma cidade tão grande e movimentada como nunca antes tinhamos visto, isto é, de facto, uma metrópole. Não há palavras para descrever o que se sente quando aqui se chega; claramente uma cidade desenvolvida, claramente uma cidade pobre; as disparidades estão presentes a cada canto e facilmente a cidade nos surpreende pela positiva mas não  só.

Chegamos em Maio, um mês quente e extremamente húmido, o que juntando a um voo longo e exaustivo, pode realmente deixar pouco espaço para as primeiras impressões serem positivas. Mas não por muito tempo. À medida que se sai do aeroporto percebem-se duas coisas: a primeira é que a zona que envolve o aeroporto está preparada para receber turistas que aqui façam escala e queiram pernoitar na cidade sem realmente irem à cidade. Há casinos, shoppings, hotéis e toda uma parafernália de serviços destinados a um turista que não esteja interessado em ver muito além do perímetro do aeroporto. A segunda coisa que vê imediatamente é pobreza. Como nunca tínhamos visto antes, escandalosamente exposta. Mas voltaremos a este assunto mais abaixo.
Ficamos num apartamento tipo estúdio, através do Airbnb, na zona de Gil Puyat. O Light Rail Train, uma espécie de comboio urbano/ metro de superfície serve esta área e nós usamos bastante este meio de transporte. Na verdade, os transportes públicos funcionam bem, apesar de Manila ser uma cidade bastante sobrelotada e as carruagens reflectirem isso mesmo. Mais uma vez o calor e a humidade fazem-se sentir, o espaço sente-se cada vez mais pequeno e até o ar parece mais pesado. Uma outra forma de nos deslocarmos pela cidade são os Jeepneys. Outrora parte da frota Americana nos tempos da Segunda Guerra Mundial, estes carros foram deixados pelos militares e por sua vez customizados e ornamentados para serem usados como transporte público. Nos nossos dias, estes ja não são os originais mas sim uma versão de produção Filipina. Continuam a servir o mesmo propósito: cobrem distâncias relativamente curtas, a um preço extremamente baixo, 8 pesos, cerca de 15 centimos de dolar (USD). Mas perceba-se o seguinte, a viagem pela cidade é absolutamente alucinante, entre carros, motas, triciclos género tuk-tuk, autocarros, camiões, e animais abandonados, tornando-se por si só uma aventura a bordo.
De caixa aberta atrás, este jeep convertido e alongado, tem aberturas laterais e simplesmente se entra pela traseira quando o condutor pára ou abranda. Fizemos algumas viagens nestes Jeepneys, apesar de não  serem propriamente uma forma muito turística, mas na verdade a cidade não é muito turística, pelo menos não para ocidentais. Vê-se gente da Coreia, Japão, China e Taiwan, e claro turismo nacional.Uma das cenas que mais nos impressionou foi, como mencionado, a pobreza. Este episódio em particular passou-se durante uma viagem de Jeepney quando de súbito uma criança sobe abordo, descalça, cabelo desgrenhado, roupas velhas e rasgadas, sujo e coberto de imundice. O miúdo não podia ter mais de sete ou oito anos. Chegou, sentou-se ao nosso lado, estendeu a mão com um copo de papel para esmolas e começou a cantar. Uma espécie de música infantil, provavelmente em Tagalog. Demorou o tempo que precisou, cantou do início ao fim, uns dois minutos. A maior parte das pessoas não fez muito caso, reagiram como quem já se tornou apático de ver muitos e demasiados. O rapaz era inócuo. Saiu após ter acabado a canção e voltou para a rua. Isto era chocante. Ver tanta miséria, tanta e tanta gente a dormir na rua, famílias inteiras perdidas numa vida que muito provavelmente será esquecida por todos, desperdiçada e perpetuada para as gerações seguintes. E isso é precisamente o que se torna tão perigoso. O facto de vermos crianças ainda de fraldas já descalças nas ruas da capital.
O mercado imobiliário está a ter um crescimento exponencial e com isso as favelas e bairros de lata tornam-se um empecilho. Não há espaço para ambos e aos olhos de quem tem o poder para decidir, aquele que gera lucro tem preferência – isto é válido para a maior parte, ou pelo menos para muitas cidades Europeias, o problema começa quando não há qualquer responsabilidade social sobre as pessoas que se tornam sem-abrigo por força de mais um edifício de habitação. Mesmo quando a opção de realojamento é posta em cima da mesa, muitas vezes não é uma solução, o realojamento é demasiado longe e a comunidade demasiado frágil nos recursos que tem, tanto que encontrar um novo emprego e forma de sustento noutra área da cidade, ou até mesmo nos subúrbios torna-se insustentável. Como consequências, os antigos moradores de bairros de lata, não sendo capazes de se integrar na zona a eles proposta, regressam à cidade, passando a estar numa situação ainda mais vulnerável e fragilizada. E o número de sem-abrigos volta então a aumentar. Estamos a falar de um quarto da população de Metro Manila (zona metropolitana de Manila)  a viver em condições  informais, entenda-se cerca de 3 milhões de pessoas nas ruas ou em situações altamente precárias.
Manila não nos fez sentir seguros, não é de admirar havendo tanta pobreza. Mas não é só isso. É uma metrópole, sobrepopulada, com 12,8 milhões de habitantes. Passear junto ao Parque Rizal, o parque urbano da cidade, e o maior da Ásia, não nos pareceu inseguro, o problema surge quando nos misturamos com os locais que sentimos medo. Há uma insegurança constante que prevalece nos sítios mais improváveis. Seguranças armados até aos dentes, guardam as portas das lojas, das farmácias, dos restaurantes, das estações de metro, dos lobbies de blocos de apartamentos e praticamente todo e qualquer negócio ou propriedade privada de grande escala.

Mas Manila é mais do que isto. É também uma cidade das suas pessoas. Visitar um mercado, ou até mesmo um supermercado, dá-nos uma perspectiva bastante realista de como os locais vivem; o que se vende é, em última instância muitas vezes o que as pessoas comem, o que levam para casa, o que é o `normal´. Estabelecer essa normalidade permite-nos entender como essas pessoas vivem. Manila tem dezenas de centros comerciais mas tem também um enorme número de mercados de rua, em todo e qualquer lado. A Chinatown de Manila, considerada a mais antiga do mundo dá também pelo nome de Binondo. Fomos depois do almoço e já o sol se estava a pôr quando decidimos que tínhamos de encurtar a visita. Horas e horas a pé, num mercado que parece não acabar, que vende de tudo e mais alguma coisa. Desde fruta e vegetais a roupas, electrónica, sapatos, roupa interior, gadgets de toda a categoria e até telemóveis de última geração (que certamente pertenceriam a alguém). A dimensão deste lugar é incrível e nenhuma foto lhe faz justiça.

Um outro lugar imperdível é Intramuros. Neste caso, sentimo-nos totalmente deslocados de Manila e perdidos em qualquer zona histórica duma cidade europeia. Intramuros, como o próprio nome diz, é a antiga zona muralhada da cidade, parte do património Espanhol e memória da sua longa presença. Apesar dos edifícios estarem relativamente bem preservados, há uma falta de sensibilidade e respeito pelo local que, desde de 2010 está no limite de danos irreparáveis de perda e destruição, tal como é referido pelo Global Heritage Fund. Vale a pena perder tempo e deambular por esta parte da cidade, sem dúvida uma realidade paralela que nos transporta para outros tempos. Há um enorme espólio arquitectónico, tanto urbano como religioso, como é o caso da Igreja de S. Agostinho, arquitectura barroca, bastante bem conservado e qualificado como Património da Humanidade pela Unesco. A Catedral de Manila que se encontra a escassos metros, sofreu ao longo dos anos variadíssimas reconstruções devidas a desastres naturais bem como um bombardeamento durante a 2ª Guerra Mundial e é, portanto, bastante moderna. Para terminar a visita, há o Forte que baliza os limites da muralha.

Mas para quem quer escapar de Manila, sem sair de Manila, então a zona do Greenbelt é o local ideal. Uma área totalmente nova da cidade, de luxo, bem desenhada, um diamante no meio da capital. Sem dúvida uma surpresa.

Do outro lado de Manila está a City of Dreams, o mítico local para jogar poker, um resorte & casino de jogo numa zona da cidade onde os contrastes são mais e maiores que em qualquer outro lado. Saindo da estacao de Baclaran, LRT, sao cerca de 15minutos a pé até onde jogadores de poker de alto nível vão para ganhar milhares, mas andar a pé nesta zona não deixa ninguém a sentir-se que vale milhares. A pobreza (e os que por ela são  afectados) é vizinha de um dos sítios na Ásia que vê mais dinheiro a circular em forma de fichas, de mão em mão. A ironia é que aqui dentro deste casino megalómano qualquer um se consegue esquecer das tendas improvisadas que servem de abrigo aos que não tem tecto, dos cartões que servem de cama para quem nem uma casa de lata pode pagar nos bairros de P. Casal, junto ao Creek.

Manila é uma cidade duríssima, de certo modo, abre os nossos olhos a uma realidade que nos é desconhecida. Ainda assim, a primeira coisa que nos vem à cabeça quando pensamos no povo filipino é sempre a mesma: a hospitalidade e o sorriso.

Obrigada por não perderem a vossa graça.

Vemo-nos em Boracay & Bohol

Welcome to Hanoi!

One of the busiest places we’ve been so far, Hanoi is kept unchanged. Its socialist past is still present and somehow you feel as if the time has stopped. The narrow buildings with only 2 or 3 floors are left as they were, the streets are still occupied by the locals, the food is still prepared and cooked as it was before.

To some extent, people still live as they did! Bare in mind the following: this is Vietnam’s capital, yet it didn’t feel as if the 21st century reached here. This means that whoever decides to travel here gets to see this part of the world on a different perspective. People seem to live simpler lives. Time seems to pass on a slower pace. On the other hand, one can also feel overwhelmed by the lack services, the total disregard for hygiene and sanitation, the absent of any notion for civic manners, i.e., garbage being thrown from shops to the street, and I mean literally flying off the door and landing wherever it does.
We stayed in the Old Quarter, a busy area, not just because it is a preferred spot for tourist but also because it still gathers a lot of that Hanoi is. The essence of the Old Quarter remains there, streets were named after the different trades and even in our days this is reflected on what they sell. Everything from the one that only sells tools, to the one that sells paper kites! As crazy as this may sound, most of this traditional retail is successful, there’s no big shopping malls, most of the international brands have not reached here (with some exceptions of course), and so the old fashion shops have a chance to thrive. And it’s just incredible to see that.
Forget about traffic rules. This is Hanoi, and if you wish to walk around, know this, cars won’t stop for you if you just stand there, bikes won’t slow down if they think you want to cross the road. Look both ways, see if you have the necessary time frame required for the first two or three steps and take a chance. That’s how you cross a road in Hanoi. After a couple of days we felt we were truly mastering this!
We took the bus most times. Public transports seem to work really well (despite being relatively old) and can you take pretty much anywhere. One would say it is not a safe way to travel. We were on a bus from rural Hanoi to city centre, 50+ children and the driver seemed not to really understand what his lane was. If overtaking is needed, the bus would honk as much as required so that any vehicle coming on the opposite direction just moves to the side (yes, sometimes this means literally out of his lane) so that the bus could go faster. Crazy driving seems to be part of the city ethos.
But Hanoi is a lot more than just motorbikes and loads of traffic. It’s about the people and how they live. It’s about the local food shared by locals sitting on tiny stalls on any sidewalk. And it’s about glimpses of a past life that the city had, its colonial architecture mixed along with the many discreet temples and pagodas.
The Old Quarter managed to keep this well balanced. Even though there’s some gentrification signs, you can still visit a local market, eat local food and admire the beauty of the city with no aspirations to please any western tourist.
One of the other things we truly recommend is a museum hoping trip. If you want to understand better why the city and the country is the way it is now, a trip to the war museum is a must. And if you’re tired of all the bars and hectic old quarter at night time, or if you simply want something more relaxing, don’t miss a walk around the lake. As the night falls, the scenario totally changes and it’s quite impressive. Believe or not, all of the sudden you feel as if you were on a different city. A certain glare on modernity comes out of the shiny lights and transports you to somewhere else.
If the first part of our stay in Hanoi was mostly site seeing, the second was all about volunteering work. We decided to teach English to young children. Not truly altruist though. Of course we knew how rewording it would be to work with these kids but we wanted to also learn from them too.
One of the most interesting experiences was a weekend on a pedagogic farm. The main goal was to help the younger ones to feel confident when speaking in english. Most of them learn it from school which doesn’t necessarily means they are able to communicate fluently. But they have the will to learn. We can’t even begin to explain how many children interacted with us on that weekend. As if we were special, these young boys and girls would come to us and simply start talking. At first a bit shy, but within an hour or so we were holding hands, playing games, singing (pretending to) songs in Vietnamese and so on! Forget about how tired you feel from walking miles while traveling, nothing makes you feel as exhausted as being around these little angels for 2 days!!!
At the end, the experience was amazing!
There’s something else we got a chance to try that we don’t think we would if it wasn’t for this: actual Vietnamese food. And I say it we pride. Not your tourist version of local food. This was the actual thing. Hot Pot. If you never heard of it, you should. If you never tried it, you clearly don’t know what your missing. I won’t go into details on this one, but I’ll say this: if you can think of a Vietnamese road being crowded, confusing, busy and somehow beautiful, just think of Hot Pot on those terms. We had the chicken one. An experience to remember as long as you’re able to ignore where the food comes from/ how it was slaughtered/ in what conditions it was stored/where it was prepared (remember many restaurants still chop their meat on the side of the road, literally about 20cm from the pavement)!
As you know we are traveling around South East Asia so rainy season is something we had to consider which was why we decided not to extend our stay in Vietnam and travel to Philippines before end of May comes!

 

Tip: Find a local coffee shop and experience the egg’coffee. It’s creamy, sweet and it almost tastes like dessert. For those of you (like me) who are not a big fan of coffee, there’s also egg-chocolate. Hmmm delicious! We went to this place, Cafe Giang.

A brief summary of our costs for 8 nights:

  • Lodging: 100 USD
  • Food: 163 USD
  • Transport: 9 USD
  • Misc: 14 THB

Total: 286 USD

See you in the Philippines!


Welcome to Hanoi!

Esta é a cidade mais movimentada onde estivemos até agora, Hanoi mantém-se igual ao que foi. O seu passado socialista é ainda presente e talvez por isso sentimos que o tempo parece ter parado. Os edifícios de fachada estreita, com apenas 2 ou 3 pisos são os de outra época, as ruas são na mesma vividas pelos locais como eram d’antes, a comida preparada e cozinhada como outrora.

Até determinado ponto as pessoas vivem como viviam. Vale a pena ter isto em conta: esta é a capital do Vietname, no entanto, não se sente que o século XXI tenha aqui chegado. Isto significa que quem decidir visitar esta cidade verá uma parte do mundo com uma perspectiva diferente. As pessoas vivem doutra forma, vidas mais simples talvez e o tempo parece passar mais devagar. Por outro lado, quem visita sente também o lado negativo deste regredir no tempo. A falta de serviços básicos, a falha absoluta nas condições de higiene (nas ruas da capital vê-se gente a catar piolhos), salubridade e cuidados sanitários (carne, de todas as espécies, ao ar, com 32 graus cá fora, cheia de moscas), a ausência de noções primárias de civismo, sendo que ver lixo a voar da porta das lojas directamente para a rua é uma cena vulgar.

Ficamos na zona de Old Quarter, uma espécie de bairro histórico, uma área bastante movimentada e preferida entre turistas mas que, apesar de tudo, continua a ser bastante genuína. A essência do Old Quarter prevalece, o seu carácter comercial ainda lá está, as ruas mantêm os nomes daquilo que outrora vendiam, mas o mais surpreendente é que muitas destas lojas ainda vendem os mesmos produtos! O atraso evolutivo que mencionamos acima reflecte-se aqui também. Como uma grande parte dos nomes internacionais e marcas continua sem ter chegado a Hanoi, o comércio tradicional subsiste, um tanto ou quanto tosco. Aos olhos dos mais nostálgicos, a beleza sobressai pelo sobreviver destas gentes e suas lojas.

Um outro aspecto característico da cidade é a ausência das regras de tráfico. Sendo Hanoi como é, atravessar a rua requer, digamos, técnica. Os carros não param em quaisquer passadeiras (sendo que as que têm semáforos possam por vezes ser a excepção). A lógica aqui aplicada é tão simples quanto isto: após olhar para ambos os lados, avalie o momento exacto em que será possível dar os próximos dois ou três passos. Atravesse. Certamente será entre motas, carros, tuk-tuks, gente, muita muita gente. Após uns dias de sustos, sentimo-nos capazes de atravessar sem grandes problemas.
Apanhamos o autocarro a maior parte das vezes. Não havendo metro, esta é uma forma barata e eficiente de nos deslocarmos. Apesar de serem autocarros velhos, a rede funciona bem e permite chegar à grande maioria dos sítios. Não se poderá, no entanto, dizer que seja uma forma segura de transporte. Aconteceu-nos estarmos numa zona rural de Hanoi, num autocarro com mais de 50 crianças a bordo e o condutor parecia ser dono de ambas as faixas. Quando era necessário ultrapassar, a faixa oposta passava a ser dele, a buzina funcionava como forma absoluta de indicar e o carro que viesse na direcção contrária simplesmente se colocava na berma. De loucos!
Mas Hanoi é muito mais do que só trânsito, motas e confusão. É também, e acima de tudo, das pessoas e do modo como elas vivem a sua cidade. É a comida local, partilhada por gente sentada em bancos pequenos em todo e qualquer passeio, na berma da rua. E é um vislumbrar de outra época, da sua arquitectura colonial misturada entre templos e pagodas, de outra vida.

O Old Quarter foi capaz de se ajustar bem. Apesar de haver sinais claros duma gentrificação derivada do turismo (ocidental e asiático), é ainda possível visitar um mercado típico, comer comida vietnamita a sério e sentir a beleza da cidade sendo igual a ela mesma. Não há quaisquer aspirações de seguir uma massificação ocidental, não se vêem MacDonalds ou marcas de contrafacção nos mercados. Hanoi simplesmente é igual a si mesma e a maior parte das vezes não procura agradar ao turista.

Uma das coisas que mais recomendamos é uma visita aos diferentes museus da cidade. Ao visitar o museu da guerra percebe-se não só o seu contexto no passado mas também um pouco da razão das coisas serem como são em Hanoi, comparativamente com Ho Chin Min. E quando estiverem cansados da zona dos bares e da loucura que o Old Quarter pode ser depois do pôr-do-sol, ou se simplesmente procurarem algo mais tranquilo, vale a pena uma visita junto ao lago. Mal começa a escurecer, o cenário muda totalmente, as luzes dão-lhe um certo ar de modernidade e a percepção que temos da cidade subverte-se! De repente, sentimo-nos numa cidade cheia de luzes e leem-se as silhuetas dos (poucos) prédios mais altos.

Se a primeira parte da nossa estadia foi, acima de tudo, para visitar e conhecer a cidade, a segunda foi mais dedicada ao voluntariado, decidimos ensinar inglês a crianças. Não foi algo totalmente altruísta, sabíamos que iría ser recompensador trabalhar com estas crianças mas também porque sabíamos que íamos aprender com elas. Uma das experiências mais interessantes foi o fim de semana passado numa quinta pedagógica. O principal objectivo da nossa presença aqui era a interacção com os mais novos, ajudando-os a se sentirem mais confiantes em inglês. A maior parte deles tinha já aprendido alguma coisa na escola mas não o suficiente para se sentirem capazes numa conversa informal. No entanto, eram crianças cheias de vontade de aprender! Não é sequer possível quantificar o número de miúdos que interagiram connosco neste fim-de-semana em particular. Como se fossemos aves raras, meninos e meninas juntavam-se à nossa volta e começavam a falar. No início um pouco envergonhados mas em
menos de uma hora já estávamos de mãos dadas, a jogar, brincar e cantar (supostamente) canções vietnamitas. Esqueçam qualquer nível de cansaço que possamos ter sentido por carregarmos mochila às costas, viajarmos por horas seguidas; nada se equipara ao esgotamento que sentimos aqui, rodeados de miúdos que, claramente estavam a adorar a atenção!
No final, podemos sem dúvida dizer que foi uma experiência incrível!

Há também algo que veio por acréscimo a este voluntariado, a possibilidade de experimentar algo que doutra forma certamente não teríamos experimentado: comida vietnamita. Não uma versão para turista mas a verdadeira. Chama-se Hot Pot e assemelha-se a uma caldeirada. Se nunca provaram, deviam. Não vou entrar em detalhes mas posso dar-vos esta metáfora: se pensarem na loucura que são as ruas no Vietname, confusas, caóticas, a miscelânea de coisas que se passa num só lugar… Hot Pot é talvez a versão culinária disso. Comemos o de frango. Mais uma vez, uma experiência para recordar desde que sejam capazes de ignorar de onde a comida vem/ como foi abatido o animal/ quais as condições de armazenamento/ onde foi preparado (relembrando que em muitos restaurantes não só a louça é lavada em bacias na rua mas também a carne é cortada na berma do passeio, a cerca de 20cm do chão!)

Como alguns de vocês sabem, estamos a viajar pelo sudoeste asiático e portanto temos de considerar a estação das chuvas que se avizinha. Por isso decidimos não estender a nossa estadia no Vietname para que pudéssemos estar nas Filipinas até ao final de Maio.

Dica: Procurem uma coffee-shop tradicional e peçam um egg-coffee. Cremoso, doce e praticamente uma sobremesa de tão bom! Para os que preferem a versão chocolate, também lá há, m-a-r-a-v-i-l-h-a! Nós fomos a este sítio: Cafe Giang.

Um pequeno sumário dos nossos gastos para 8 noites:
  • Alojamento: 100 USD
  • Alimentação: 163 USD
  • Transportes: 9 USD
  • Diversos: 14 USD

Total: 286 USD

Vemo-nos nas Filipinas!


Welcome to Cambodia!

We were still on the plane and, as we were reaching Siem Reap, looking out from the window all you could see was green. As if the city came out of it, as if it was rising from the jungle.

We were still on the plane and, as we were reaching Siem Reap, looking out from the window all you could see was green. As if the city came out of it, as if it was rising from the jungle.

With all the visa arrangements covered by the new e-visa online application, the arrival was smooth. But just as we got a step out of the airport we realized what we have heard was true: all things are paid in US dollars, regardless of the place, from the hotel to the local shops, restaurants and even the tuk-tuk driver, everything is paid in a foreign currency and the small change given back in Cambodian Riels. This not only increases the price of any products/ services, it also keeps a stable currency on a country that is poor. But because 100USD is equivalent to ~400mil KHR it’s not hard to predict that by the end of day one your pocket is full of almost worthless bills.

Siem Reap is relatively small at its core which makes it very important to stay central. With high temperatures during this time in the year, any small distances can become a pain. Nevertheless, we wanted to see the city. It is very impressive to see how so many buildings are still present, remains of a colonial time, some in better conditions than others but in any way impressive. Even in our days it is possible to see a will to keep this European style in new buildings and certainly an effort to maintain the old ones.
These three days in Siem Reap were a good way to escape from the busy cities and, in all fairness, our only item on the list were the temples.

The trip to see the temples implies some preparation, either on the day before or early on the same day. Tickets are available from 5:30pm for the day after or at 5:30am on the same day. Knowing how long these queues can get we decided to wake up early. The 1day ticket costs 37USD and it is only available from the official ticket office (careful with fake ones). A pre-booked tuk-tuk driver will also save you time and money (costs aprox. 20USD) and its a valuable experience since they will be able to get you to the right place without any trouble.

All the nightlife (as is the daylife) is in and around Pub Street and the Night Market, pretty much the city centre. Pub street is all about dining and drinking places, there’s so many options that most are not even half full. These places are dedicated to tourists and not a lot more than that. With well designed restaurants and good quality restaurants, you can definitely feel this place is catering for its main market. Not only the places look nice, the food and the are also good. Not as cheap as one would expect for Cambodia nor its neighboring countries, 9USD per meal/person is the price you get for eating in this main area (no alcoholic drinks included on this price). Siem Reap being somewhat under develop according to western standards, this area is also were you can get more services.

For those backpacking, this is an expensive city, prices are substantially high for the place itself and, even though it is a World Heritage site, there’s clearly a lack of services – it took us an hour and a half to find a place to print something. Nevertheless, it is absolutely worth visiting, in particular if combined with a joint trip to countries next to it, like Laos, Vietnam and Thailand. Or perhaps by adding a few days to your vacations and escaping to a more exotic destination, the beaches to the south, as Koh Rong.  This last one we missed it, but will for sure visit it on a next time!

Tip: There’s a whole side business by the temples (and even by the ticket office) selling long pants, scarfs and similar items for ladies who might not be fully covered. Prices are high and it’s a totally unnecessary expense, just be sure to cover your knees and shoulders before heading to the temples and you’ll be saving some dollars.

A brief summary of our costs for 3 nights:

  • Lodging: 46 USD
  • Food: 152 USD
  • Transport: 20 USD
  • Misc: 12 THB
  • Entertainment: 92 USD

Total: 310 USD

See you in Vietnam!


Ainda antes de aterrar em Siem Reap, a primeira imagem com que ficamos do Cambodja foi a imensidão verde e densa deste novo destino. A cidade em si parece gravada nesta mancha verdejante.

Todo o processo do visto foi relativamente simples, tínhamos tratado da documentação online através da nova aplicação e-visa cambodia. No entanto, logo à saída do aeroporto constatamos aquilo de que já tínhamos ouvido rumores: os preços estão todos em dólares, seja onde for, do local mais turístico, ao mais rural possível, claramente uma forma menos agressiva de conseguirem inflacionar um bocadinho os valores e manter os dólares num país onde a moeda pouco vale, 100USD são 403mil KHR. De um modo geral, os pagamentos são feitos em dólares e os trocos dados na moeda local. Como resultado, ao fim do primeiro dia havia já um bolso cheio de notas a valerem perto de nada!

Em Siem Reap não existem transportes públicos, existem sim táxis e um exagero de tuk-tuk’s por todo o lado. Como o núcleo da cidade é relativamente pequeno, é realmente importante escolher um hotel bastante central, nós ficamos a cerca de 1km o que se torna longe para uma deslocação a pé a meio da tarde na hora de maior calor. Apesar das temperaturas estarem altas nesta altura do ano e a humidade ser imensa, é impossível não querer ver a cidade; são imensas as referências ao seu passado colonial, onde casas e hotéis de décadas passadas se mantêm, uns melhores, outros já em declínio. O esforço e vontade para manter estes edifícios é notório e vê-se ainda uma certa continuidade de um estilo europeu que é, ainda nos dias de hoje, seguido.

Os três dias em Siem Reap serviram para descansar, além da ida aos templos e de deambular pela zona mais urbana, pouco mais tínhamos na nossa lista. Começamos então pela atracção principal, Angkor Wat.

A visita aos templos implica uma certa preparação. Seja no dia anterior à visita a partir das 5h30 da tarde ou no próprio dia de manha bem cedo, as filas para compra de bilhetes podem se tornar longas bastante rápido por isso decidimos madrugar e estar nas bilheteiras às 5h da manha. O bilhete só pode ser comprado na bilheteira oficial (atenção às falsificaçoes) e, à parte do esforço de acordar a horas impróprias, tudo o resto vale a pena. Compramos a entrada para um dia, custou 37USD/pessoa. Achamos que o bilhete de um dia seria suficiente. Daí seguimos com um tuk-tuk pré marcado no dia anterior que nos levaria a todos os sítios. Custa cerca de 20USD o dia, e a presença dele é praticamente indispensável. Podem sempre alugar uma bicicleta mas para além da distância até aos templos ser grande, a área deles também o é.
Mal chegamos, ainda com a luz do amanhecer, descobrimos os templos com os primeiros raios, o que é ainda mais incrível pelo facto de a quantidade de turistas ser consideravelmente menor do que esperávamos. Umas quantas dezenas, que tendo em conta a amplitude do espaço, não é mau.

Os templos que visitamos foram aqueles que sabíamos ser os principais, Angkor Wat, Angkor Thom e Ta Prohm, são autênticas obras-primas de um detalhe e rigor impressionantes. O primeiro é sem dúvida o mais bem conservado, onde se percebem melhor os diferentes espaços e componentes da obra mas apesar disto, não é de todo o maior. Toda esta área está considerada Património Mundial e por isso não quisemos deixar de aproveitar a envolvente, que no fundo se caracteriza por uma zona bastante verde, onde é fácil ficar embrenhado na aura que ali se sente. Tudo isto faz com que a visita se torne ainda mais especial.

A animação nocturna centra-se por completo na Pub Street e no Night Market, precisamente no centro da cidade. O primeiro como o nome indica, é uma rua cheia de restaurantes e bares, edifícios antigos restaurados com um bom gosto, restaurantes com qualidade, desde o serviço à comida. Os preços rondaram os 9USD por refeição/pessoa. Não é tão barato como em alguns países vizinhos mas a qualidade é superior já que a cidade se foca essencialmente nos turistas. Esta área é a única talvez um bocadinho mais urbana, onde podem encontrar mais animação e serviços.

Para quem anda a viajar de mochila as costas Siem Reap é caro, os preços são claramente muito altos para o local e apesar de ser Património Mundial da Humanidade ainda há uma falha clara nalguns serviços. No entanto, vale a pena a visita, em particular se for enquadrada numa descoberta dos países vizinhos e/ou se envolver uma estadia nas praias a sul, Koh Rong. Para nós, este último destino ficará para uma próxima vez!

Dica: Há todo um negócio paralelo junto aos templos de venda de lenços, saias compridas e calças e afins para que as mulheres (e os homens também) estejam de ombros e joelhos cobertos. São gastos que podem ser evitados, em particular pelo custo inflacionado.

Um pequeno sumário dos nossos gastos para 3 noites:
  • Alojamento: 46 USD
  • Alimentação: 152 USD
  • Transportes: 20 USD
  • Diversos: 12 USD
  • Entretenimento : 92 USD

Total: 310 USD

Vemo-nos no Vietname!


Amazing Thailand! ❤︎

“Its easy to fall in love with Thailand, these twenty five days weren’t enough to see everything we wanted to see; what we saw will be missed and hard to match. And now we understand why this is one of the top places in the world to visit.”

Twenty five days in one of the most visited countries in the world, Thailand.
We started in Bangkok, an easy start for us, somehow familiar, close to home, Dubai, and a place that has plenty to offer for a limited budget.

This urban jungle with undefined boundaries is such an incredible place to visit, for all that you can see and assimilate from only walking on the street. From the markets and the smells you can smell, to the many many colors, and the concrete everywhere, these are the contrasts that somehow seem to make sense here.

Bangkok doesn’t pleases everyone, you either like it or not. But we just simply loved it.

Phuket came after and we stayed in Patong.
Despite the high expectations for this place, it really left an negative impact on us. Crowded places, not so pleasant beaches, far from the postcard image. The town centre, old, dirty and gentrified, has more MacDonalds per square meter than you can possible imagine and it really doesn’t offer much more.
A part from the 5 star resorts, which are somehow secluded from these areas, Phuket offers low quality in most of the things and its tourism is a reflection of it.

Phi Phi island was the next destination and suddenly everything you’ve ever imagine this place could be it’s there. Here you actually feel disappointed with the photograph because it can’t possible make it justice. The beaches, the landscape, the nighlife, the right vibe, the diving spots – all the ingredients are here.

Koh Samui came after, roughly 8 hours on a ferry/bus/ferry long trip.  A much less touristic place, it divides itself in 3 main areas, Chaweng, the centre of the island, a crowded place, a mix of long beaches and many bars/pubs, at relatively low prices and low quality, Lamai and Choeng, identical but slightly better, and then there’s Bophut, ideal for those who wish to take a break of all the chaos, probably where we’ve seen more European people.

A few days and we decided to go to Koh Phangan. Without many expectations, it turnout to be a wonderful surprise… An incredible spot, much more than just the ‘Full Moon Party’ island, this is an outstanding beautiful place, with charming beaches and overwhelming landscape. More rural, green and hilly, less touristic; there’s definitely two modes, the ‘Full Moon Party’ and the normal mode. If we had to pick the beach, it would be here, waterfalls in the middle of the jungle, and monkeys coming out of nowhere!!! Without a doubt, a place not to be missed out.

Its easy to fall in love with Thailand, these twenty five days weren’t enough to see everything we wanted to see; what we saw will be missed and hard to match.
And now we understand why this is one of the top places in the world to visit.

We spent 20,430 THB (594 USD), and average of 23.75 USD/ day, including domestic trips, tours, food and lodging (not dorms).

And now Cambodia, see you in Siem Reap!

 


 

Vinte e cinco dias em um dos países mais visitados do mundo, a Tailândia.
Começamos a nossa viagem no final de Março em Banguecoque, relativamente perto do nosso ponto de partida, o Dubai, achamos que seria um bom começo por já nos ser familiar e sabermos o que nos poderia oferecer por um budget simpático.

A selva urbana que é Banguecoque , não tem limites definidos e por isso se torna tão incrível de conhecer à medida que se assimila tudo o que se vê na rua! Dos mercados aos cheiros ao passar pelas comida de rua, as cores vibrantes e o betão! São contrastes absolutos numa cidade onde fazem sentido.

Banguecoque não é cidade para meios termos, ou se adora ou se detesta. Nós adoramos.

Em seguida veio Phuket e ficamos em Patong.
A impressão com que nos deixou foi pouco positiva, uma praia caótica e longe de ser um paraíso digno de postal, um centro de cidade sujo, velho e descaracterizado.
Phuket, Patong beach é um sítio a evitar que, com a excepção dos resortes de 5 estrelas longe da confusão, foi forçado a servir um público muito específico, de orçamento curto e pouco preocupado com qualidade.

Chegados a Phi Phi island, e aquilo que se espera está realmente ali, a ilha tem aquilo que mostra a fotografia e muito mais, praias e paisagens de cortar a respiração, oferece tudo nas doses certas, praias, mergulho, vida nocturna, restaurantes e boa onda.

Koh samui, a 8 horas de autocarro e ferry, é uma ilha menos turística. Divide-se em 3 áreas  principais, Chaweng, o centro da ilha, confuso, numa mistura de muita praia e muita noite a preços baixos, Lamai e Choeng, muito idênticos mas já com alguns hotéis e resortes mais luxuosos (principalmente o último) e por fim Bophut  ideal para quem procura qualidade, este é o sítio certo para descansar uns dias de toda a confusão que é a Tailândia, talvez a zona onde vimos mais europeus.
Seguiu-se Koh Phangan que, sem esperarmos, se revelou uma bela surpresa…É simplesmente incrível, muito mais do que a ilha das “Full Moon Party” não só pelas suas praias lindíssimas mas também pela paisagem e pela selva. Mais rural, mais verde, mais montanhosa e talvez menos formatada para o turismo.
A ilha tem dois modos, quando há as Full/Half Moon parties e quando não há. Tem das praias mais bonitas que vimos na Tailândia, cascatas no meio da selva e boas surpresas, como estar a voltar de mota ao final da tarde por estradas que dividem a selva do oceano e de um momento para o outro virmos macacos por todo o lado. Sem dúvida outro destino a não perder.
É fácil gostar da Tailândia, foram 25 dias, ficamos longe de ver tudo o que queríamos ter visto, o que vimos vai deixar saudades e percebemos facilmente a razão de ser dos destinos do mundo mais visitados.
Gastamos nestes 25 dias 20,430 THB (594 USD) temos uma média de 23.75 USD por dia, este preço já tem incluídas viagens entre os diversos sítios, alojamentos e sem nunca ficarmos em dormitórios.
E agora vemo-nos no Camboja, Siem Reap!